Páscoa


         

I. PÁSCOA (Lv. 23:5)

1. O que é a Páscoa:   

      O desenho mostra um hebreu aspergindo o sangue de um cordeiro sobre as ombreiras (batentes ou colunas verticais) e nas vergas da porta (Êxodo 12:7). Observe que o sangue aspergido nas colunas e nas vergas, nos sentidos horizontal e vertical, apontam para a cruz de Cristo.
Páscoa no hebraico é pessach que significa passagem ou passar por cima: "...é a páscoa do Senhor" (Ex.12:11), "Porque o Senhor passará para ferir os egípcios..." (Ex.12:23), "É o sacrifício da páscoa ao Senhor que passou por cima das casas dos filhos de Israel..." (Ex.12:27).
2. O Dia da Páscoa:

A festa começa com a morte de um cordeiro como oferta pelo pecado (Ex.12:2,6), no dia 14 do mês de abibe (Lv.23:15; Ex.13:4), que significa espigas verdes. Durante o exílio foi substituído pelo nome nisã (Ne.2:1) que significa começo ou abertura. Corresponde a março-abril em nosso calendário. A páscoa foi instituída numa sexta-feira, ou seja, um dia antes dos Pães Asmos (Lv.23:6) e dois dias antes das Primícias (Lv.23:12).

Para o povo judeu havia o ano sagrado e o ano civil. O sagrado começava na primavera. O civil começava no outono. O 7° mês sagrado era o 1° mês civil. Dividia-se o ano em 12 meses lunares, com um 13° mês 7 vezes em cada 19 anos.
Calendário Lunar Judaico e seus meses correspondentes no Calendário Solar ou Juliano
 Lunar Judaico................Solar Juliano
Nisã ou Abibe.................março-abril
Iyyar ou Zive..................abril-maio
Sivã...............................maio-junho
Tammuz.........................junho-julho
Abe................................julho-agosto
Elul................................agosto-setembro
Lunar Judaico.......................Solar Juliano
Etanim ou Tishri...........setembro-outubro
Marquesvã ou Bul........outubro-novembro
Quisleu....................novembro-dezembro
Tebethe.........................dezembro-janeiro
Shebate...........................janeiro-fevereiro
Adar.................................fevereiro-março
3. A Hora da Páscoa:
O dia civil judaico (período de 24 horas) se inicia às 18:00 horas e termina às 18:00 horas subsequente. A noite vem primeiro que o dia, pois na criação do mundo o primeiro dia começou com a escuridão que foi transformada em luz: "Chamou Deus à luz dia, e às trevas noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia" (Gn.1:5). Daí em diante cada período de 24 horas foi indicado sucessivamente como "tarde e manhã" (Gn.1:5,8,13,19,23,31; 2:2).
O dia natural judaico (12 horas), isto é, o intervalo entre a aurora e o crepúsculo (06:00 às 18:00 h.), era dividido em três partes: manhã, meio-dia e tarde (Sl.55:17). Os judeus distinguiam duas tardes no dia: a primeira ia das 15:00 às 18:00 h., e a segunda se iniciava ao pôr do sol (18:00 h.), indo até a escuridão da noite, aproximadamente às 19:00 h. (Mt.14:15 e 23). O sacrifício da páscoa era oferecido "no crepúsculo da tarde" (Lv.23:5; Nm.28:4,8). A passagem faz referência à primeira tarde (15:00 às 18:00 h.). A segunda tarde, que se iniciava às 18:00 horas, e a manhã, que tinha início às 06:00 horas, juntos formavam um dia (Gn.1:5). O gráfico abaixo ilustra o dia judaico:
4. O Local da Páscoa:
Posteriormente Deus requereu que a páscoa só fosse realizada em um local por Ele determinado "Então sacrificarás como oferta de páscoa ao Senhor teu Deus, do rebanho e do gado, no lugar que o Senhor escolher para ali fazer habitar o seu nome. Não poderás sacrificar a páscoa em nenhuma das tuas cidades que te dá o Senhor teu Deus. Senão no lugar que o Senhor teu Deus escolher para fazer habitar o seu nome, ali sacrificarás a páscoa à tarde, ao pôr do sol, ao tempo em que saíste do Egito. Então a cozerás, e comerás no lugar que o Senhor teu Deus escolher..." (Dt.16:2,5-7).
5. Evento correspondente no Novo Testamento: Redenção
(I Co. 5:7; Ef.5:2; I Pe.1:19; II Co.5:21; Gn.4:7)
5.1. O que é a Redenção:
O evento correspondente à páscoa no Novo Testamento é a redenção. Assim como um cordeiro foi sacrificado no dia da páscoa para a libertação dos judeus do Egito, Cristo foi sacrificado para a libertação dos nossos pecados: "...Ele salvará o seu povo dos pecados deles" (Mt.1:21); "...pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados" (Ap.1:5); "...Cristo, nosso cordeiro pascal, foi imolado" (I Co.5:7). Cristo se fez oferta pelo pecado. Há uma perfeita identificação entre o pecado do crente e a oferta pelo pecado (Jo.3:14). Esta identificação é ainda mais evidente no Antigo Testamento, pois "a palavra hebraica hattâ't usada para traduzir pecado é derivada de uma forma verbal que significa purificar, de modo que o substantivo significa um sacrifício que obtém a purificação."
Desse modo o texto de Gênesis 4:7 fica com mais sentido: "...se, todavia, procederes mal, eis que o (a oferta pelo) pecado jaz à porta... ...a ti cumpre dominá-lo (domá-lo)" (Gn.4:7). Esta identificação também pode ser vista no Novo Testamento: "Aquele que não conheceu pecado, ele o fez (oferta pelo) pecado por nós..." (II Co.5:21). Este era o método usado por Deus, desde os tempos de Adão, para perdoar os pecados: O sangue deveria ser derramado "Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação (kafer = cobertura - veja Gn.3:21 e 6:14) pelas vossas almas; porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida" (Lv.17:11). Por isso "...sem derramamento de sangue não há remissão" (Hb.9:22). No tempo do Antigo Testamento o sangue dos animais apenas cobriam os pecados. O sangue de Cristo tira o pecado do mundo (Jo.1:29).
5.2. O Dia do Sacrifício de Cristo:
A primeira páscoa foi comemorada numa sexta-feira. Jesus Cristo também foi crucificado numa sexta-feira (Mt.27:62; Mc.15:42; Lc.23:54; Jo.19:14), às 09h00, isto é na "hora terceira" (Mc.15:25). Das 12h00 às 15h00, isto é, da hora sexta à hora nona, houve trevas sobre a terra (Mt.27:45; Lc.23:44-46). Depois disso Ele rendeu o espírito, no período entre 15h00 e 18h00. Este período compreendido entre a hora nona (15h00) e o pôr do sol (18h00), no qual Jesus morreu é o mesmo período designado para o sacrifício da páscoa, ou seja, no crespúsculo da tarde, (Lv.23:5; Nm.28:4,8).
5.3. A Hora do Sacrifício de Cristo:
Tudo indica que Jesus morreu após às 15:00 horas, que é a hora nona (Lc.23:44-46). Porém, naquele tempo as horas não eram indicadas com precisão, como ocorre hoje. Assim sendo, é possível que Jesus tenha morrido entre 15:00 e 17:00 horas, tendo sido sepultado aproximadamente após as 17:00 horas (Mc.15:42), pois o sábado iria começar às 18:00 horas (Lc.23:54), e a Lei Judaica proibia o trabalho aos sábados e a permanência de um corpo morto na cruz (Dt.21:22,23; Jo.19:31). Assim sendo, a morte de Cristo foi mais rápida do que se esperava (Mc.15:44). Isto ocorreu por 4 motivos: (1) Jesus é o Cordeiro Pascal, e como tal deveria morrer no mesmo período do sacrifício da páscoa (Ex.12:6); (2) Suas pernas não poderiam ser quebradas para acelerar a sua morte (Jo.19:32,33; Ex.12:46; Nm.9:12; Sl.34:20); (3) Seu corpo não poderia permanecer no madeiro (Dt.21:22,23) e (4) O próprio Cristo rendeu o seu espírito (Jo.19:30; Jo.10:18; Jo.2:19).
As duas tabelas seguintes mostram as horas do dia e da noite, conforme a cultura judaica:
As horas do dia

Hora Ocidental
Hora Judaica
Referência Bíblica
09:00 h. (6 às 9 h.)      
terceira hora
Mt.20:3
12:00 h. (9 às 12 h.)
sexta hora
Mt.20:5
15:00 h. (12 às 15 h.)
nona hora
Mt.20:5                               
18:00 h. (15 às 18 h.)               
décima segunda hora
                                                     

As horas da noite

18:00 às 21:00 h.
1ª vigília (noite)
Ex.14:24
21:00 às 24:00 h.
2ª vigília (meia noite)   
Lc.12:38 (Mt.25:6)       
24:00 às 03:00 h.
3ª vigília (cantar do galo)       
Lc.12:38
03:00 às 06:00 h.
4ª vigília (manhã)
Mt.14:25                            
O dia civil judaico é ilustrado na tabela abaixo:
O Dia Judaico (24 horas)

18:00 h.
cair da tarde
Mt.20:8; Mt.14:23
18:00 h.
pôr do sol
Gn.28:11; Mc.1:32         
A tabela abaixo ilustra outros horários mencionados na Bíblia:
Outras Horas Judaicas

17:00 h.
undécima hora
Mt.20:6
Cerca de 22:00 h.
2ª ou vigília média
Jz.7:19
06:00 às 09:00 h.
raiar do sol, nascente do sol
Jz.9:33;; Sl.50:1; Sl. 113:3; Is.45:6
15:00 às 18:00 h.
cair da tarde (1ª)
Mt.14:15
18:00 às 19:00 h.
cair da tarde (2ª)
Mt.14:23
15:00 às 18:00 h.
crepúsculo da tarde
Ex.12:6; Nm.9:3
A páscoa foi realizada na sexta-feira. Três dias depois os judeus deveriam comemorar a festa das primícias (Lv.23:12). Esta festa indicava a ressurreição após três dias. O primeiro molho de trigo que fosse colhido, isto é, as primícias, deveria ser movido perante o Senhor (Lv.23:10,11). Este mover do trigo era símbolo da vida que, ao contrário de um animal morto, inerte e sem movimento, se expressa pelo mover da vida (At.17:25,28). Na ressurreição o corpo de Cristo que estava inerte no túmulo foi movido por Deus e a terra se abalou (Mt.27:51-54; Mt.28:2; Hb.12:26,27). Cristo foi vivificado no espirito (IPe.3:18). Mas a oferta só poderia ser feita após três dias depois da páscoa. Isto tem a ver com a ressurreição que ocorreu somente três dias depois da morte de Cristo.
O esquema a seguir mostra os três dias e três noites mencionados por Jesus. As palavras de Jesus "...três dias e três noites" (Mt.12:40), não exige que 72 horas tenham se passado entre sua morte e ressurreição, pois os judeus consideravam parte de um dia como um dia inteiro.
O gráfico seguinte ilustra os três dias e três noites que Jesus permaneceu na sepultura:

Esta expressão "um dia e uma noite" é idiomática, e era usada pelos judeus para indicar "um dia" (ISm.30:12,13), mesmo quando somente parte de um dia era indicada. Qualquer parte do período era considerado um período total. O Talmude Babilônico relata que "uma parte do dia é o total dele"
O Talmude de Jerusalém, diz: "Temos um ensino: um dia e uma noite são um onah e a parte de um onah é como o total dele"
Cristo foi crucificado na sexta-feira. Qualquer tempo antes das 18:00 horas de sexta-feira seria considerado um dia e uma noite. Qualquer tempo depois das 18:00 horas de sexta-feira até sábado às 18:00 horas, também seria um dia e uma noite. Semelhantemente, qualquer tempo após às 18:00 horas de sábado até o momento em que Cristo ressuscitou, na manhã de domingo, também seria um dia e uma noite. Do ponto de vista judaico, seriam três dias e três noites de sexta à tarde até domingo de manhã.



5.4. O Local do Sacrifício de Cristo:
O local exato da morte de Cristo não se sabe. As Escrituras mencionam o lugar onde Cristo foi crucificado, que se chamava Calvário (Lc.23:33). Em hebraico (aramaico) o nome é Gólgota (Jo.19:17) que significa Lugar da Caveira (Mt.27:33).
Jesus Cristo não poderia ser crucificado fora da Judéia, muito embora tenha sido crucificado fora de Jerusalém (Hb.13:11,12; Jo.19:20; Mt.21:39). A Judéia, local do templo de Salomão, era o local onde Deus havia escolhido para habitar (I Rs.9:3). Com isto Deus queria mostrar que só há um Caminho para a salvação. Os sacrifícios da páscoa não podiam ser realizados em qualquer lugar, mas somente naquele lugar onde Deus havia determinado. Os sacrifícios e adoração fora de Jerusalém era considerado pecado (I Rs.12:25-33; I Rs.13:9,10; I Rs.8:29,33,38,44; Dn.9:3; Jo.4:20). Muitos cristãos pensam que idolatria é somente culto prestado a deus falso.
Pelo estudo das Escrituras descobrimos que culto falso prestado ao Deus verdadeiro também é idolatria. Se alguém pretende agradar ao Deus verdadeiro por meios estranhos às Sagradas Letras, realiza culto falso e comete o pecado da idolatria. Somente o Sacrifício do Calvário realizado por Cristo, tem valor para Deus. Jesus é o Caminho (Jo.14:6). Deus não aceita outro sacrifício além do sacrifício de Cristo realizado no Calvário. Desse modo, ordenando que os sacrifícios fossem realizados no templo, Deus estava querendo demonstrar que só há um caminho para a salvação.
Jesus é descendente de Judá (daí se tira o nome Judeus) (Gn.49:8-12), e por esta mesma razão a tribo de Judá recebeu lugar de honra na ordem dos acampamentos da tribo, diante do tabernáculo (Nm.2:3; Lc.1:78,79; Sl.84:11; Ml.4:2), porque a salvação vem dos judeus (Jo.4:22) e Jesus é a Porta (Jo.10:9) que dá acesso ao Pai.
O esquema abaixo mostra a localização das doze tribos em volta do tabernáculo. Observe que a tribo de Judá permanecia em frente da porta de entrada para o tabernáculo, no lado leste. Isso indicava que um descendente de Judá haveria de abrir o caminho que dá acesso a Deus (Lc.1:78; Nm.2:3; Sl.84:11; Ml.4:2).


2. ASMOS = MATZOT (Lv. 23:6)
Esta festa era comemorada no dia seguinte à páscoa (Lv.23:6). Os pães não continham fermento porque representavam a pureza de Cristo, o Pão da Vida (Lv.2:11; Dt.16:1-4; Jo.6:48,51; I Co.11:23-26; Mt.16:6). Também expressa a nossa comunhão com Cristo, que começa com a nossa redenção e depois prossegue em uma vida santa (I Co.5:6-8; Gl.5:9). As ofertas de pães asmos não poderia conter sangue, porque o sangue era derramado pelo pecado (Ex.23:18; 34:25) e esta oferta deveria ser apresentada como "aroma agradável ao Senhor" (Lv.23:13).
Os hebreus deveriam celebrar a festa dos pães asmos durante sete dias, durante os quais deveriam comer pão não levedado (Ex.12:15-20).
Evento correspondente no Novo Testamento:
Santificação (I Co.5:8)
Assim como a Festa dos Pães Asmos era celebrada imediatamente após o sacrifício da páscoa, aquele que é redimido pelo sangue de Cristo, deve imediatamente prosseguir em seu caminho em processo de santificação: "...aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus" (II Co.7:1). Esta oferta não poderia conter sangue do sacrifício porque o sangue era derramado por causa do pecado e "...aquele que sofreu na carne deixou o pecado" (I Pe.4:1) e "...quem morreu, justificado está do pecado... ...a morte já não tem domínio sobre Ele" (Rm.6:7,9).
Diversos textos das Sagradas Escrituras demonstram este processo de santificação do cristão, vinculado à sua redenção e originado nela.
Saber distinguir os textos que falam da salvação inicial dos textos que falam da santificação é importante para uma real compreensão das Sagradas Escrituras.
A tabela a seguir mostra paralelamente os textos bíblicos que tratam da redenção e da santificação do crente.
SALVAÇÃO

REDENÇÃO
SANTIFICAÇÃO
A posição do crente (permanente)
O estado ou condição do crente (progressivo)
...fostes lavados... (I Co.6:11)
...lava-me purifica-me... (Sl.51:2)
...lava os teus pecados... (At.22:16)
Lavai-vos, purificais-vos... (Is.1:16)
...nos lavou... lavar regenerador... (Tt.3:5)
Lava-me... purifica-me... (Sl.51:2,7)
...que nos salvou... (II Tm.1:9)
...tornar-te sábio para a salvação... (II Tm.3:15)
...aos santificados em Cristo Yeshua... (I Co.1:2a)
...chamados para ser santos... (I Co.1:2b)
...salvação pela santificação do Espírito... (II Ts.2:13)
...esta é a vontade de Deus, a vossa santificação... (I Ts.4:3)
...em santificação do Espírito... (I Pe.1:2)
...seguí... a santificação... (Hb.12:14)
...os que são santificados... (At.20:32)
Santifica-os na verdade... (Jo.17:17)
...fostes santificados... (I Co.6:11)
...fruto para a santificação... (Rm.6:22)
...o santo... (Ap.22:11a)
...continue a santificar-se... (Ap.22:11b)
...aperfeiçoou para sempre... (Hb.10:14a)
...quantos estão sendo santificados... (Hb.10:14b)
...aquele que começou boa obra... (Fp.1:6a)
...há de aperfeiçoá-la completamente... (Fp.1:6b)
...estais aperfeiçoados nele... (Cl.2:10)
Não que eu... tenha já obtido a perfeição... (Fp.3:12)
...purificando-lhes pela fé os corações... (At.15:9)
Cria em mim... um coração puro... (Sl.51;10)
...tendo purificado as nossas almas... (I Pe.1:22)
...purifiquemos-nos... santificação... (II Co.7:1)
...e purificar... um povo... zeloso de boas obras (Tt.2:14)
...a si mesmo se purifica... para toda boa obra... (II Tm.2:21)
...povo em cujo coração está a minha lei... (Is.51:7)
Lava o teu coração da malícia... (Jr.4:14)
...tendo os corações purificados... (Hb.10:22)
...no coração as tuas palavras para não pecar...(Sl.119:11)
... puro de coração... (Sl.24:4)
Quem pode dizer: purifiquei o meu coração...? (Pv.20:9)
...os limpos de coração... (Mt.5:8)
...limpai o coração... (Tg.4:8)
...Deus é bom para com os de coração limpo (Sl.73:1)
...a si mesmo se purifica... (I Jo.3:3)
Vós já estais limpos pela palavra... (Jo.15:3)
...a palavra... poderosa para salvar... (Tg.1:21)
...o sangue de Cristo... purificará... (Hb.9:14)
...nos purifica de todo o pecado (I Jo.1:7)
3. PRIMÍCIAS = HABICURIM (Lv. 23:9)
A palavra primícias no hebraico é habicurim. As Primícias era comemorada 3 dias e 3 noites depois da Páscoa (Lv.23:12), quando as primícias da terra eram ofertadas ao Senhor, e 49 dias antes do Pentecoste. Deus requeria apenas um molho de cevada. A Festa das Primícias é também designada "...festa das segas dos primeiros frutos (Ex.23:16)."
O uso do fermento era proibido na Festa dos Pães Asmos e na Festa da Páscoa, porém poderia ser usado na Festa das Primícias (Lv.23:17,18). O fermento é considerado pelas Escrituras como tipo da presença da impureza e do mal (Ex.12:15,19; 13:7; Lv.2:11; Dt.16:4; Mt.16:6,12; Mc.8:15; Lc.12:1; ICo.5:6-9; Gl.5:9). Portanto os dois pães levedados a serem movidos, representam Israel e os gentios formando a Igreja. O fermento é sinal da imperfeição no meio do povo de Deus (Mt.13:33).
Evento Correspondente no Novo Testamento:
Ressurreição (I Co.15:20; At.26:23; Cl.1:18)
A ressurreição de Jesus ocorreu no domingo, antes do nascer do sol (Mc.16:2; Lc.24:1; Jo.20:1) 3 dias e 3 noites após a sua morte (Mt.12:40). Ele não ficou exatamente 72 horas no túmulo, mas parte da sexta-feira (das 15:00 às 18:00 h. = 3 horas), o sábado inteiro (das 18:00 às 18:00 h. = 24 horas) e parte do domingo (das 18:00 às 06:00 h. = 12 horas), portanto cerca de 39 horas. As 33 horas restantes são 21 horas da sexta-feira (das 18:00 às 15:00 h.) e 12 horas do domingo (das 06:00 às 18:00 h.). De qualquer forma a ressurreição ocorreu três dias depois (dias judaicos). "O Filho do Homem será entregue nas mãos dos homens, e o matarão; mas três dias depois da sua morte, ressuscitará" (Mc.9:31).
"...Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo Ele as primícias dos que dormem" (I Co.15:20). Cristo é "o primogênito de entre os mortos" (Cl.1:18). "...sendo o primeiro da ressurreição dos mortos..." (At.26:23).

A ressurreição de Cristo e, analogicamente, a oferta das primícias, representavam a consagração de toda a colheita a Deus e serviram como um penhor, ou garantia, de que a totalidade da colheita ainda se realizará na ceifa (Rm.8:23; 11:16; ICo.16:15). Portanto, Cristo na qualidade de Primícias da Ressurreição, consagrou a Deus toda a colheita (Hb.2:13).
(A.D)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A ENTRADA DA IGREJA NOS CÉUS

Como um arco íris