Pular para o conteúdo principal

COMO SE ESCREVE?


Quando Joey tinha somente cinco anos, a professora do jardim
de infância pediu aos alunos que fizessem um desenho de
alguma coisa que eles amavam.

Joey desenhou a sua família. Depois, traçou um grande círculo
com lápis vermelho ao redor das figuras.

Desejando escrever uma palavra acima do círculo, ele saiu de
sua mesinha e foi até à mesa da professora e disse

- Professora, como a gente escreve...?

Ela não o deixou concluir a pergunta. Mandou-o voltar para o
seu lugar e não se atrever mais a interromper a aula.

Joey dobrou o papel e o guardou no bolso. Quando retornou
para sua casa, naquele dia, ele se lembrou do desenho e o
tirou do bolso. Alisou-o bem sobre a mesa da cozinha, foi até
sua mochila, pegou um lápis e olhou para o grande círculo
vermelho.

Sua mãe estava preparando o jantar, indo e vindo do fogão
para a pia, para a mesa. Ele queria terminar o desenho antes
de mostrá-lo para ela e disse.

- Mamãe, como a gente escreve...?

- Menino, não dá para ver que estou ocupada agora? Vá brincar
lá fora. E não bata a porta - foi a resposta dela. Ele dobrou
o desenho e o guardou no bolso.

Naquela noite, ele tirou outra vez o desenho do bolso. Olhou
para o grande círculo vermelho, foi até à cozinha e pegou o
lápis. Ele queria terminar o desenho antes de mostrá-lo para
seu pai. Alisou bem as dobras e colocou o desenho no chão da
sala, perto da poltrona reclinável do seu pai e disse:

- Papai, como a gente escreve...?

- Joey, estou lendo o jornal e não quero ser interrompido. Vá
brincar lá fora. E não bata a porta. O garoto dobrou o
desenho e o guardou no bolso.

No dia seguinte, quando sua mãe separava a roupa para lavar,
encontrou no bolso da calça do filho enrolados num papel, uma
pedrinha, um pedaço de barbante e duas bolinhas de gude.
Todos os tesouros que ele catara enquanto brincava fora de
casa. Ela nem abriu o papel. Atirou tudo no lixo.

Os anos passaram...

Quando Joey tinha 28 anos, sua filha de cinco anos, Annie fez
um desenho. Era o desenho de sua família. O pai riu quando
ela apontou uma figura alta, de forma indefinida e ela disse:

- Este aqui é você, papai! A garota também riu. O pai olhou
pra o grande círculo vermelho feito por sua filha, ao redor
das figuras e lentamente começou a passar o dedo sobre o
círculo.

Annie desceu rapidamente do colo do pai e avisou: eu volto
logo! E voltou com um lápis na mão. Acomodou-se outra vez nos
joelhos do pai, posicionou a ponta do lápis perto do topo do
grande círculo vermelho e perguntou:

- Papai, como a gente escreve amor? Ele abraçou a filha,
tomou a sua mãozinha e a foi conduzindo, devagar, ajudando-a
a formar as letras, enquanto dizia: amor, querida, amor se
escreve com as letras T...E...M...P...O (TEMPO).

Conjugue o verbo amar todo o tempo. Use o seu tempo para
amar. Crie um tempo extra para amar, não esquecendo que para
os filhos, em especial, o que importa é ter quem ouça e
opine, quem participe e vibre, quem conheça e incentive.

Não espere seu filho ter que descobrir sozinho como se
soletra amor, família, afeição.

Por fim, lembre: se você não tiver tempo para amar, crie.

Afinal, o ser humano é um poço de criatividade e o tempo...

...bom, o tempo é uma questão de escolha.
(Anônimo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …