Pular para o conteúdo principal

Páscoa para os judeus


          Começa na noite de 14 de Nissan e dura oito dias. É a festa da libertação de Israel da escravidão egípcia. Pessach (Páscoa) significa passar por cima, saltar, e assim se denominou esta festa, porque o Anjo que matou os primogênitos dos egípcios “saltou”, isto é, “passou por cima”das casas judias, poupando os seus filhos mais velhos. É costume os primogênitos judeus jejuarem no dia 14 de nissan, véspera de PESSACH, como recordação do perigo que estiveram expostos os primogênitos judeus no Egito.
       Nestes oito dias é categoricamente proibido comer pão e outras comidas levedadas, para lembrar-se quando, um povo inteiro, conduzido pela vontade de Deus encarnada em Moisés, saiu  tão apressadamente do Egito que a massa preparada para o fabrico do pão não teve tempo de fermentar. Nas primeiras noites celebram-se o Seder, durante o qual contam-se a história da festa ( Hagadah), bebendo vinho, comem-se a Matzah ( pão sem fermento), harosset ( ervas amargas) que traz a recordação simbólica da escravidão no Egito e, depois a libertação.
Vejamos alguns pontos da páscoa judaica.

·      Seder com a leitura da Hagadah foi sempre celebrado com grande alegria em Israel. Pelo amor que os judeus devotam-se aos seus filhos, eles mantém a tradição desta sugestiva festa de família, onde celebram o Seder em regra durante as dus primeiras noites de Pessach.
·      Há milênios, essa gente evoca e festeja os eventos do êxodo das tribos de Israel do cativeiro dos faraós, evento ocorrido há mais de 35 séculos.
·      Pessach, a páscoa judaica, é por excelência, a festa da liberdade. No Seder, a mesa posta, a ceia e o relato obedecem a uma ordem tradicionalmente sagrada.
·      O Seder marca o início de uma nação judaica livre.
·      A palavra Pessach significa passagem, salto, pulo. A décima praga do Egito, foi a morte dos primogênitos. Sob orientação Divina, os judeus sacrificaram um carneiro e com seu sangue pintaram os umbrais de suas portas. O anjo da morte passou e saltava as casas dos filhos de Israel e foram poupados os primogênitos. Esta é a história da Mezuzah.
·      Pessach mostra a eternidade do povo judeu. povos, impérios, civilizações poderosas e de grande cultura, desapareceram. Ficaram na lembrança, que hoje é meramente arqueológica.
·      A festa começa no dia 15 de Nissan e se prolonga por 7 dias em Israel e por 8 dias na diáspora. O primeiro dia representa a saída do Egito e o sétimo a passagem pelo mar vermelho, aonde os judeus atravessaram em terra firme e seca, e cantou-se a SHIRAH. Os dias intermediários são chamados de CHOL HAMOED. Na diáspora, acrescentou-se um segundo dia festivo e o oitavo
( instituídos pelos judeus sefaradistas da Espanha).
·      Pessach sempre ocorre na primavera de Israel. Época da renovação da natureza. Quando o pessach cai num sábado chama-se Shabat Hagadol, porque os judeus saíram do Egito também num sábado. Hagadah quer dizer relato, consiste de trechos da Bíblia, do Talmud e de poesias.
·      Recomenda-se que a casa esteja limpa para que não fique nenhum “hametz”, alimento fermentado, proibido no Pessach. O conceito de Hametz é simbólico. Representa os defeitos das pessoas, que devem fazer um exame de consciência de seus atos, de seu comportamento, para se libertar de suas más qualidades.

ELEMENTOS BÁSICOS PARA O SEDER E SEUS SIGNIFICADOS 

Mesa:  é preparada utilizando-se louças nobres.
Velas: São colocadas em castiçais para acendimento no horário pelas mulheres. A vela fala da luz divina, afastando as trevas.
Hagadot: Livros para acompanhamento das leituras.
Matzot: Pães sem fermento, separados em 3 filheiras principais, tipificando a geração de Abraão, Isaac e Jacó e as famílias Cohen, levi e Israel. Simboliza a abertura do mar vermelho.
Vinho ou suco de uva: as quatro taças representam as quatro etapas da redenção: - saída da escravidão; - Saída do Egito; - Afundou o exército do Faraó no mar; - entrega da terra prometida a Israel.
A taça de Eliahu ( cup Kidush ): grande e bonita é reservada para a chegada do Messias.
Água e sal: numa vasilha, onde se mergulha o Karpás ( salsão ou aipo) e o ovo. Representam as lágrimas do povo judeu, p[elo sacrifício diária de crianças feito pelo Faraó, na ilusaão de curar as lepras.
Keará: bandeja ou travessa onde são colocados os  seguintes elementos:
- zeroa - pedaço de osso assado, representando o cordeiro pascal.
- betzá - ovo cozido representa o luto de não poder celebrar o sacrifício da páscoa, pois não existe templo. O ovo não tem ponta, o que lembra a humildade da morte, pois dela ninguém escapa. Tabém simboliza o povo judeu, que quanto mais perseguido, mais forte se torna.
-Maror - almeirão, escarola ou alface romana. Se traduz pelo amargo. Traduz pelo sofrimento da escravidão, a tristeza do trabalho forçado, as crianças que eram sacrificadas quando o trabalho do Faraó não era alcançado.
-Charosset: massa de nozes e maças pecadas, com gengibre e vinho. Representam os tijolos que os escravos judeus faziam.
- Karpás - Salsão ou aipo. representa o trabalho árido, insólito do povo escravo.
- Chazeret : alface romana. Tem o mesmo significado do Maror.

Durante a cerimônia o pai toma o pão do maio ( Matzá ) e o esconde, pois ele deve ser procurado pelas crianças. A criança que o encontrar pode pedir ao pai o que quiser. Este pão escondido chama-se Afikoman.

( Este parágrafo sobre a Páscoa para os Judeus foi extraído Manual do Templo União de Israel - 5757-1996/97-Rio de janeiro )

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …