Pular para o conteúdo principal

"PUREZA DE SANGUE" E "RAÇAS INFECTAS" - INQUISIÇÃO NO BRASIL

Portugal é tido por muitos como uma nação não muito discriminadora, por que muito negros mestiços e gentes oriundos de outros povos conquistaram cargos na administração portuguesa. Todavia Charles Boxer nos mostra que uma análise detalhada como eram as relações sociais dos portugueses com os povos conquistados.
É notório que a Igreja Católica possuía um papel preponderante na sociedade portuguesa, sua relação efetiva com a introdução de outras gentes em seu clero muito significou. Principalmente através dos jesuítas muitos asiáticos e africanos foram catequizados e ensinados para serem posteriormente ordenados a padres. Por mais que muitos fossem entusiastas na questão do multirracial a grande maioria dos padres portugueses considerava os nativos inaptos, várias eram as críticas diziam que tinham espírito pobre, não tinham condições de cumprir as exigências do curso. Existe por parte dos padres portugueses aversão quanto á ordenação de padres nativos o consideravam de baixo nível, viciosos e estúpidos, e os mestiços quanto mais sangue nativo tivessem menos estimados eram. Os franciscanos admitiam mestiços como noviços, o que só ocorreu após uma reunião com o papa mostrando a diferença entre um nativo e um mestiço. Muitos dominicanos consideravam todas as raças de cor (em especial os indianos e africanos) como profundamente inferiores á branca.
Na Índia os portugueses mesmo querendo estimular o crescimento do clero secular, procurou não interferir no sistema de castas, o que levou há alguns atritos entre elas. Não muito diferente da Índia, a África enfrentou as mesmas resistências apesar de ter começado bem antes ordenações de nativos. O que ajudou os nativos foi o entusiasmo do Vaticano pela formação de clérigos nativos e a ação do marquês de Pombal colocando como crime insultos e ofensas, praticamente uma lei anti-racista. Mesmo após a destituição de Pombal a política de abrir novos seminários e coibir o racismo a outras raças de cor continuaram.

No Brasil o indivíduo passava por um inquérito judicial no qual provava a pureza de sangue, caso tivesse passado mestiço isto facilitava. Contudo havia rivalidade entre os “filhos da terra” e os “filhos do reino”. Aqui algumas ordens admitiam outras nem isso faziam à discriminação era explícita mesmo que isso resultassem em descumprimento da ordem de Roma.
Até no setor da administração local, havia restrições aos mestiços, provas de pureza de sangue, anos posteriores que houve dispensa. A Coroa concedia títulos de cavaleiros para alguns, mas também agia com severidade para muitos. A questão da escravidão eles colocavam linhas teológicas e a doutrina da missão civilizadora como justificativa. Qualquer crítica era rebatida veemente, tanto para defensores dos negros e mestiços quanto em relação aos judeus. Os judeus foram duramente perseguidos “pessoas de sangue infecto”, sequer algum escrito em hebraico era permitido ou prática do judaísmo.
A Inquisição portuguesa foi responsável por vários tipos de perseguições e discriminações, sua censura foi rigorosa, empreendeu-se forte luta contra judeus, protestantes, heréticos e cristãos novos, ninguém a não ser a nobreza titular, o clero e os aldeões mais autênticos podia se sentir salvo de denúncias anônimas. Os inquisidores criaram mais cristãos novos e judeus do que realmente havia, no período pombalino quando as perseguições foram abrandadas diminui-se o número de cristãos novos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …