Pular para o conteúdo principal

Entendes o que lês?

O anjo do Senhor falou a Felipe: "Vai para a banda do sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza... levantou-se e foi" (At 8.26,27). Felipe era um discípulo do Senhor "de boa reputação e cheio do Espírito Santo e de sabedoria" (At 6.3). Ele levou a mensagem do evangelho além da cidade de Jerusalém. Os métodos de Felipe são copiados em todas as igrejas pentecostais ao redor do mundo.
Naqueles dias, a cidade de Samaria estava sendo sacudida pelo poder de Deus, pela mensagem poderosa do evangelho pregada pelo diácono-evangelista Felipe. Muitos samaritanos haviam crido e foram batizados com o Espírito Santo, pela im­posição de mãos dos apóstolos Pedro e João (At 8.17).
Felipe, deixando a igreja em Samaria em "chamas" pelo poder do Espírito Santo, saiu para outra região, sob a dire­ção do Senhor. Nessa época, o diácono-evangelista, possuí­do do dom de evangelista (Ef 4.11), desce ao caminho de Gaza. "Evangelista é um ministro do evangelho, que recebe a chamada de Deus para pregar a Palavra" (2 Tm 4.4) e não "meio-ministro", uma espécie de suboficial, como acontece por aí, em algumas igrejas".
Felipe, sem hesitar, obedeceu. Deixando o grande avivamento em Samaria, viajou cerca de 90 quilômetros. Impor­tante é que Felipe não viajou só; foi em companhia de anjos (At 8.29). Fosse hoje, talvez ele não quisesse entregar a igre­ja aos apóstolos (ministério), mas procuraria logo registrar a igreja e ficar como presidente dela. Porém, Felipe sabia que sua missão era evangelizar, e não apascentar; por isso, espe­rava a direção divina para outro trabalho. De repente, ele ouviu a Palavra de Deus, que era lida por alguém que passa­va em um carro. Nesse momento, o Espírito disse-lhe: "Che­ga-te a esse carro!" Foi justamente aí que surgiu mais uma pergunta pentecostal!:
"Entendes o que lês?"
Esta pergunta não foi feita por acaso, e sim pela direção do Espírito Santo, pois o diácono evangelista estava cheio do poder de Deus, aguardando para executar o plano do Senhor. Entendes tu o que lês? Com esta pergunta se suben­tende que não é bastante ler, e sim entender.
Diz-nos o texto que o eunuco lia, mas não compreendia. Quantos estão por aí, lendo e relendo e até tirando curso, mas completamente alheios às bênçãos de Deus! Serás, meu irmão, um desses que, como o eunuco, está lendo, sem com­preender?
Entendes o que lês? Como posso entender se alguém não me explicar? Então não basta ler; é necessário entender e, para enten­der, é preciso que se explique. Quem poderia explicar? Os "Felipes" estão por aí. São aqueles que Deus chamou e aos quais deu do seu Espírito. Eles, através do ensino sistemático, doutrinário, escla­recem a Palavra de Deus nas igrejas, nas escolas, ou em reuniões específicas. O Eunuco recebeu a interpretação das Escrituras pelo Evangelista. "Então Felipe explicou, e começando por esta passa­gem da Escritura, anunciou-lhe a Jesus" (At 8.35).
Graças a Deus porque o Senhor tem levantado e está levantando homens que sabem explicar a Palavra de Deus, homens que receberam a revelação divina e se dedicaram ao ministério do ensino (Rm 12.7). Dirá alguém: "Eu não preciso de ensino ou de que me expliquem". E esses têm razão de dizer isso, porque andam sozinhos, sem a companhia de anjos (Hb 1.14). Cuidado! A Bíblia não é de particular interpretação. Assim, é preciso que seja explicada, especialmente por aqueles que aprenderam e têm a missão de ensinar.
Entendes tu o que lês? — Como poderei entender se alguém não me explicar? Quantas heresias, discussões, contendas, sem nenhum proveito, por motivo de não entender a Palavra de Deus! Quantos bacharéis em teologia negando o glorioso batis­mo com o Espírito Santo, negando a inspiração verbal e plená­ria das Sagradas Escrituras, alegando que as bênçãos do Pentecostes não são mais dadas! Bom seria que essas pessoas acei­tassem Jesus como seu Salvador, ou então tomassem a atitude do superintendente de Candace, convidando os "Felipes" a subirem no "carro deles para que sejam ensinados.
Multidões estão lendo, especialmente agora que a Bíblia vive em cada lar. Entendes o que lês? Não? Por que então não fazes como o eunuco? Subindo Felipe em seu carro, lhe ex­plicou tudo. Salvação, batismo em águas, batismo com Espí­rito Santo, dons espirituais etc. Como prova de que o eunuco entendeu, ao chegar onde havia água, pediu que Felipe o batizasse. Como poderia ele pedir batismo se não tivesse conhecimento dessa doutrina? Será que o eunuco foi batiza­do com o Espírito Santo? Felipe pregou-lhe essa doutrina. Os samaritanos mandaram chamar Pedro e João, para que rece­bessem o batismo com o Espírito Santo, porque Felipe os havia ensinado acerca disso.
Crês no batismo com o Espírito Santo? Já recebeste o po­der de Deus em teu coração? Não? Então precisas entender o que lês, ou o que estás lendo. Faça como o eunuco: chame os que entendem e eles te explicarão, e receberás a benção completa. Amém.

José Apolônio da Silva


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …