Pular para o conteúdo principal

CARNAVAL - Origem e Natureza

Os que defendem o carnaval, costumam afirmar que ele é a alegria do povo, uma festa que expressa a cultura popular, uma festa folclórica. Ainda afirmam que o carnaval é a ocasião certa para atrair turistas estrangeiros a fim de angariar fundos para os cofres públicos.
Neste estudo, no entanto, tentaremos mostrar, ainda que de forma objetiva, a realidade do que vem a ser esta festa e suas implicações para as nossas vidas. A Palavra carnaval vem  de carnevale, vocábulo latim, que significa “adeus à carne”, entendido também como uma festa de muita alegria, folia e orgia que precede à quarta-feira de cinzas. No entanto, a comemoração do carnaval é de origem pagã e não cristã. Desde tempos imemoriais no Egito antigo, no outono, realizava-se a festa do boi Apís que era considerado um animal sagrado. E nestas festas, escolhia-se o boi mais belo e branco o qual era pintado com várias cores, hieróglifos e sinais cabalísticos. Em seguida o boi era conduzido pelas ruas, e levado até o Rio Nilo, onde era afogado.  Para este ritual o povo fazia procissão juntamente com os sacerdotes, magistrados, homens, mulheres e crianças, fantasiadas grotescamente, dançando, cantando, em promiscuidade até seu afogamento. Com as conquistas da Grécia e de Roma, a festa foi transportada para outros países, sob outras formas e denominações. Na Grécia, tomou o nome de Dionisíaca em honra ao Deus do vinho que era considerado Dionísio e em Roma, era festejada como Bacanal em homenagem ao deus do vinho, Baco. Nessas comemorações, a aristocracia misturava-se com o populacho, os tribunais e estabelecimentos oficiais se fechavam, e se abriam todos os lugares de divertimentos, onde a devassidão, a orgia e os prazeres sensuais eram inomináveis.
       Com o advento do cristianismo, as festas pagãs se arrefeceram, mas na Idade Média, sob a tolerância da Igreja dominante, recrudescera entre os povos de educação latina sob a única denominação de carnaval. No Brasil, com o caldeamento cultural afro-brasileiro e com rituais diferentes, o carnaval empolga multidões e é motivo de atração turística. Como em todos os tempos e lugares, no Brasil a festa é portadora de nefastas conseqüências ao indivíduo, à família, à sociedade. O carnaval é festa religiosa, revivescência do paganismo antigo, dedicado a Momo - deus da zombaria, do sarcasmo, da pândega e que está ligada à quaresma - período de abstinência e jejum, que termina com a semana chamada santa.          O catolicismo ao invés de se contrapor contra esta festa pagã oficializou-a em sua religião sobre o pretexto de festa alegre precedente a quaresma. Mas o cristão deve se conduzir pelas determinações bíblicas. Momo é Satanás dissimulado. Jesus em sua quaresma de jejum e oração, peremptoriamente repeliu o falso deus: “Retira-te Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorará e só a Ele darás culto” (Mt. 4:10). O Salmo 115:1-8 afirma que quem adora um Deus morto se torna espiritualmente semelhante a ele. Momo é deus morto, cuja falsa duração é de três dias, cultuado pelos foliões, e que conforme a mitologia foi expulso do Olimpo, para ser na Terra o rei dos loucos. Pelo exposto, carnaval é festa religiosa que se contrapõe ao cristianismo verdadeiro.
         A lenda mitológica conta que Júpiter se impressionou com a formosura da princesa Europa e tomou forma de um belo boi branco como a neve e misturou-se com o rebanho. Europa, atraída pela mansidão do animal e pelo seu elegante porte, enfeitou-o com flores e subiu no seu dorso. Imediatamente, em carreira veloz, Júpiter se dirigiu para o mar e levou a linda princesa para praias desconhecidas.
Satanás é assim. Como anjo de luz ( II Corintios 11:14) e com todo poder de mentira, de mistificação ( II Ts 2:9), ilude incautas criaturas por meios atraentes, como as festas carnavalescas e as leva para as praias ignotas da perdição.
      O carnaval é revivescência das religiões pagãs e de maneira alguma deveria estar justaposta ao período da quaresma que começa com a quarta-feira de cinzas. Lamentável é que criaturas que se dizem cristãs festejem o carnaval, ressurgimento do paganismo de priscas eras e responsável pelos danos e efeitos morais para homens, mulheres, jovens de ambos os sexos, também crianças e uma das causas da desorganização de famílias e de graves problemas sociais. A festa carnavalesca é culto imerecido ao falso deus Momo que constitui ofensa à pessoa do Deus vivo e verdadeiro.

Três perspectivas bíblicas sobre o carnaval.
A primeira é, o carnaval não é uma simplesmente uma festa alegre e inofensiva, mas pelo contrário, é uma festa que tem patrocinado a tristeza e a desgraça de muitos lares.E nestas ocasiões que muitas jovens perdem a virgindade e se tornam mães solteiras, muitos jovens são iniciados no mundo das drogas, muitos casamentos são destruídos, que doenças como a Aids encontra a oportunidade de proliferarem e que muitos morrem por diversos motivos.
A segunda perspectiva é, o carnaval não é uma festa cristã e sim pagã. O fato de a igreja católica ter a regulamentado antes da quaresma não faz dela uma festa religiosa. Antes, como vimos acima, as origens do carnaval são pagãs, e Roma só deu uma roupagem religiosa para ela, mas para Deus ela é abominável.
A terceira perspectiva é, o espírito do carnaval não deve influenciar o verdadeiro cristão, pois este é satânico e, na verdade, um culto a Satanás. O carnaval que significa reúne todos os elementos de um culto satânico, orgias, bebedeiras, drogas, foliões devotos a ídolos do espiritismo, erotismo, possessões, enfim, tudo que o diabo gosta. Eu penso que a igreja não devia nestas ocasiões simplesmente ir tirar “folga” em acampamentos e etc. Ela devia se mobilizar em oração haja vista ser nesta ocasião que Satanás mais age nas nossas cidades. Se orarmos, Deus pode impedir que os cofres públicos financiem estas festas pagãs para que, sem recursos, elas deixem de existir.

Jesus antes de sua quaresma, vinha do batismo, um ato de consagração a Deus e não de orgia bacanal. Por isso que na sua quaresma ele foi tentado, mas na quaresma destes carnavalescos o Diabo ao invés de tenta-los, vai é agradece-los por terem dado suas vidas a Satanás no Carnaval.

Wemerson

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …