Comportamento é fruto das nossas escolhas

DURANTE A SESSÃO DA TARDE, Simeão pediu que escolhêssemos um parceiro. Kim sorriu para mim e me juntei a ela, decidido a ouvir desta vez.
- Vamos pensar mais um pouco nessa questão da autoridade, ou influência, se preferirem, com os outros. Eu gostaria que cada um pensasse numa pessoa, viva ou morta, que exerceu autoridade sobre vocês, da forma como definimos autoridade hoje cedo. Pode ser um professor, um treinador, um pai, cônjuge, chefe - não importa. Pensem em alguém que teve ou tem autoridade sobre suas vidas, alguém por quem vocês atravessariam paredes.
Imediatamente pensei em minha mãe, que falecera havia dez anos.
- Agora, com o parceiro - Simeão continuou —, eu gostaria que vocês listassem as qualidades de caráter que essa pessoa possuía ou possui. Simplesmente escrevam essas qualidades como se fosse uma lista de compras e juntem suas duas listas. Então reduzam a lista para três a cinco qualidades que consideram essenciais para o desenvolvimento da autoridade com pessoas, baseada em sua experiência de vida.
Para mim, o exercício foi fácil porque minha mãe teve enorme influência em minha vida e eu gostaria de fazer mais do que atravessar paredes por ela, se pudesse. Rapidamente escrevi: "paciente, responsável, bondosa, cuidadosa, confiável", e
passei a folha para Kim.
Eu me surpreendi ao descobrir que a lista de Kim era muito parecida com a minha. Ela escolhera uma antiga professora do ensino médio que causara grande impacto em sua vida.
Simeão foi para o quadro e pediu a lista de cada grupo. De novo fiquei assombrado com a semelhança das listas. As principais respostas foram:
􀂙 Honestidade, confiabilidade
􀂙 Bom exemplo
􀂙 Cuidado
􀂙 Compromisso
􀂙 Bom ouvinte
􀂙 Conquistava a confiança das pessoas
􀂙 Tratava as pessoas com respeito
􀂙 Encorajava as pessoas
􀂙 Atitude positiva e entusiástica
􀂙 Gostava das pessoas
Simeão deixou o quadro, enfatizando: - Excelente lista, excelente lista. Voltaremos à lista mais tarde, durante a semana, e a compararemos com outra lista que a maioria de vocês reconhecerá. Por ora, tenho duas perguntas sobre a lista. Minha primeira pergunta é esta: destas qualidades de caráter que vocês consideram essenciais para liderar com autoridade, quais são aquelas com que nós nascemos?
Passamos alguns minutos estudando o quadro antes que Kim respondesse com um simples: - Nenhuma delas.
O sargento retrucou: — Não estou seguro. Uma atitude positiva, entusiástica e compreensiva provavelmente é algo com que você nasce. Eu nunca fui um sujeito desse tipo e nem gostaria de ser.
- Ah, não? Talvez você pudesse ser esse tipo de sujeito se eu lhe desse um bônus de vinte e cinco mil dólares - o pregador retrucou.
- O que você quer dizer com isso, pregador? - o sargento reagiu.
- Suponha que eu lhe dissesse que pagaria vinte e cinco mil dólares se nos próximos seis meses você tivesse com suas tropas uma atitude mais positiva, entusiástica e compreensiva. Vou lhe fazer uma pergunta, Greg. No fim dos seis meses você não teria suas tropas "puxando o seu saco?”
Entre sorrisos silenciosos, o sargento abaixou a cabeça, falando: - Entendi o que você quer dizer, pregador.
Simeão salvou Greg: - Todas as qualidades que vocês listaram são comportamentos. E comportamento é escolha. Minha segunda pergunta é: quantas dessas dez qualidades, desses comportamentos, vocês exibem em suas vidas, no momento?
- Todos - respondeu a diretora. - De certa forma, exibimos todos. Alguns melhor do que outros e alguns talvez precariamente. Eu poderia ser a pior ouvinte do mundo, mas sou forçada a ouvir, em certas ocasiões. Eu poderia ser uma pessoa muito desonesta, mas sou honesta ao lidar com minha família.
- Maravilhoso, Teresa - Simeão disse com um sorriso. – Esses traços muitas vezes são desenvolvidos cedo na vida e tornam-se comportamentos habituais. Alguns de nossos hábitos, nossos traços característicos, continuam a evoluir e amadurecer em altos níveis, enquanto outros mudam pouco a partir da adolescência. O desafio para o líder é escolher os traços de caráter que precisam ser trabalhados e aplicar-lhes o bônus de vinte e cinco mil dólares de Lee. Desafiar-nos para mudar nossos hábitos, nosso caráter, nossa natureza. Isso requer uma escolha e muito esforço.
- A pessoa não pode mudar sua natureza — interveio o sargento num tom de desafio.
- Fique ligado, Greg, vêm mais coisas por aí - respondeu Simeão com uma piscada de olho.

Do Monge Executivo, James Hunter

Comentários

Postagens mais visitadas