Pular para o conteúdo principal

CARNAVAL FESTA SEM DEUS


O Brasil se prepara para enfrentar dias barulhentos e festeiros, vivenciar a festa denominada de Carnaval, dias de diversão, folias e folguedos, a imprensa propaganda a festa, negócios movimentam cidades e milhões e milhões de reais circulam pelo país durante os dias de Festa, o Governo investe com patrocínios, propagandas sobre as DST entre “parceiros” e prevenção aos jovens.

O Carnaval origina na Grécia em 600 a 520 a.C, pegou trejeitos e laços na Itália e França, que no Brasil tomou estilos diferenciados, veio a princípio como entrudo, mas foi adquirindo caráter cada vez mais diversificado, recebeu influência significativa da África, dos mais de 15 milhões de africanos trazidos como escravos. Hoje cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Recife e Olinda recebem milhares de turistas para participarem do Carnaval.

O Carnaval repassa a idéia de festa da liberdade, sem pudores, de que tudo é possível, o país praticamente chega a parar nestes dias, alguns até afirmam que as coisas só andam no Brasil depois do Carnaval, quando analiso toda a história do Carnaval e levo ao contexto espiritual, vejo a distância que o homem toma de Deus, pois o temor ao Senhor é o princípio da sabedoria (Pv 1.7), e vejo que as práticas, músicas e folias neste período evidenciam a sensualidade, erotismo, orgias, libertinagem e a total falta de moral na sociedade.
Encontro defensores árduos do Carnaval, respeito, entretanto a Bíblia Sagrada que diz claramente “que o deus deste século cegou o entendimento” ( II Cor 4.4), e que as obras da carne se manifestam e a carne cobiça contra o Espírito ( Gl 5.17-19), os dias de folia são dias de louvor a carne, a própria palavra Carnaval na origem latina significa “Carna vale” , expressão que significa supressão a carne, devido ao início da Quaresma, mas é o inverso que acontece, os romanos que popularizam o Carnaval invadiam as ruas para festejarem e se “alegrarem” em seus bacanais, orgias e festas pelas cidades. Mas surge a pergunta: Onde está Deus no Carnaval? Ainda que alguns “cristãos” se organizem e realizem até o chamado Carnaval de Cristo ou CristoFolia, não encontramos nenhum apoio ou base bíblica para este evento, como já afirmei as práticas evidenciadas durante o Carnaval levam o homem a estar distante de Deus, pois são as vossas iniqüidades que fazem divisão entre vós e o vosso Deus(Is 59.2). 

Devemos buscar a presença de Deus enquanto se puder achar e invocar o seu nome enquanto o está perto (Is 55.6), o pecado afasta o homem de Deus, a palavra pecado significa errar o alvo “harmatia”, o pecado é um desvio de Deus, e onde sua presença não está, a verdadeira alegria também não está, o que vemos no Carnaval como conseqüências são drogas, mortes, violência, assaltos, tragédias familiares e outras tantas ocorrências negativas como saldo do Carnaval.

Fica a reflexão: Deus está no Carnaval? Acredito que não, pois sua presença é santa!


Por Lucas Queiroz e Silva

Comentários

  1. Carnaval festa sem Deus;detesto o carnaval só acontece tragedia os indíces de DST sempre aumentam;muito bem elaborado esse texto!amei ótimo para reflexão!

    ResponderExcluir
  2. Graça e Paz amados! Eu creio também na verdadeira felicidade que vem na presença de DEUS em nossas vidas, como dito no post, o pecado afasta o homem de Deus, portanto, oro pra que muito possam abrir seus olhos espirituais, e ver que só vale apena estarmos onde há a presença do Espírito Santo de Deus. Parabéns pelo blog, q Deus vos abençoe!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …