Pular para o conteúdo principal

Se você estivesse lá...


Algum dia você já encontrou um homem depois de ele ter morrido? Não? Eu também não.
Mas se isso acontecesse, a sensação seria algo de espetacular. Você iria gaguejar, sem saber o que dizer, apalpando o corpo dele para se certificar que não se tratava de uma ilusão. Profundamente impressionado, sua mente ficaria no mínimo confusa.
Com certeza seria um acontecimento único e inesquecível em sua vida. Agora acrescente o fato de que esse homem teria lhe predito claramente que iria morrer e depois voltaria a viver. A ressurreição não teria sido surpresa para ele, mas algo perfeitamente dentro de seu conhecimento e de suas previsões, tudo devidamente planejado e definido. Quando lhe dissera isso, você nem dera muita importância, aliás, nem mesmo tinha entendido o que aquilo significava. Mas agora você estava ligando os fatos e já podia compreender o supremo poder daquele homem. Você ficaria com uma mistura de medo e respeito.
Agora, por fim, considere que aquele homem teria lhe dito o motivo de sua morte e ressurreição: para que você fosse salvo. Em outras palavras, ele tinha feito aquilo para lhe livrar da morte eterna.
Nesse ponto, você não estaria mais simplesmente abismado com aquela ressurreição física; nem sentindo apenas admiração e respeito por aquele homem; mais do que tudo, você seria tomado por um profundo sentimento de gratidão e mesmo de adoração. Aquela ressurreição, de tão marcante, iria mudar toda a sua vida.
Você certamente já concluiu que o homem do exemplo é o Senhor Jesus Cristo e que estou lhe
imaginando na pessoa de um dos seus apóstolos, que passaram por tudo isso que comentamos.
Talvez você pense: “Ah, mas eles foram privilegiados em presenciar tudo aquilo. Se eu estivesse na pele de um deles, minha reação teria sido aquela mesma. Teria vibrado intensamente com a ressurreição de Jesus. Mas, como não é o caso..."
Pois é. Já faz tanto tempo, não é? A morte e a ressurreição de Cristo são fatos históricos, acontecidos há quase dois mil anos. Por isso alguns as consideram como acontecimentos que pertencem apenas ao passado. E se sentem satisfeitos em dedicar uns três dias por ano para rememorar a velha história. Sermões, dramas, filmes, até algumas lágrimas. Tudo muito bonito e até emocionante. Mas, segunda-feira, não se fala mais nisso. Só no próximo ano. É como um álbum de família. Tão útil quando se deseja ver fotos antigas. Faz-se uma verdadeira viagem ao passado.
Mas, no fim, fecha-se e não serve para absolutamente nada, até o dia em que alguém vem de novo admirar os retratos.
Será que a morte e ressurreição de Jesus serviram para mudar as vidas apenas daqueles poucos que o cercavam, para depois serem simplesmente comemoradas como uma festa litúrgica a mais no calendário? Claro que não. Os efeitos daqueles eventos são eternos. E a sua eficácia é tão poderosa hoje quanto nos próprios dias em que aconteceram. Para uma pessoa vibrar com a ressurreição de Jesus, não é necessário que estivesse lá, ao seu lado. Basta crer que tudo aconteceu como a Bíblia relata, e que o aceite como Salvador. A Bíblia diz: "Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo" (Rm 10.9).
O verdadeiro salvo em Jesus não se lembra da morte e ressurreição dele apenas em dias prefixados.
Ele o faz continuamente, e com muita alegria. E sonha com o dia em que, com toda a certeza da sua alma, se encontrará pessoalmente com o seu Salvador, tão vivo e real como naquele Domingo de madrugada em Jerusalém... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …