Amor e Justiça


Certo juiz, conhecido por sua retidão e justiça em todas as sentenças proferidas, um dia encontrou-se numa situação difícil. A ele foi dado o julgamento de sua própria esposa, por quem, todos sabiam, tinha um profundo amor, mas que, pelo que fizera, poderia ser condenada à morte.

O julgamento foi longo, as provas eram evidentes e as testemunhas de acusação, incontestáveis.

Após um longo processo, o grande dia chegou. A sala do julgamento estava lotada, com clima tenso e profundo silêncio. Fitando os olhos em sua amada, o juiz ergueu-se e de maneira firme e resoluta, com lágrimas, proferiu:

- Declaro a ré culpada e a sentencio à pena máxima, à pena de morte...

Espanto geral, logo substituído por outro ainda maior quando ele, saindo de onde estava, despe-se de sua toga, coloca-se ao lado de sua esposa e declara:

- ... e determino que eu morra em seu lugar.

Essa história é impossível na justiça humana, mas ilustra exatamente o que aconteceu com o Senhor Jesus quando morreu por nós na cruz. Ali vemos, ao mesmo tempo, a plenitude da justiça e do amor de Deus (Salmo 89:14), portanto, Ele jamais poderia deixar de ser justo. Todavia, este mesmo Deus é amor (1 João 4:16) e Seu amor foi provado pelo fato de Cristo ter morrido por nós (Romanos 5:8), atendendo às exigências da Sua própria justiça para nós, as quais somente Ele poderia atender. Não há como entender plenamente isso. Apenas somos constrangidos a entregar-nos totalmente a Ele!

(Extraído do Livro: Em Tudo Uma Lição... - Água da Vida. Ed. Árvore da
Vida)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

Como um arco íris

Difícil ser resiliente