Suportando uns aos outros


   Em certo inverno, uma grande manada de porcos-espinhos, numa tentativa de se proteger do frio e sobreviver, começou a se unir, juntando-se mais e mais. Assim, cada animal podia absorver um pouco do calor do corpo do outro, e todos juntos, bem unidos, agasalharam-se mutuamente, aqueceram-se e puderam enfrentar por mais tempo o inverno tenebroso.
  Aos poucos, porém, os espinhos de cada porco-espinho começaram a ferir os companheiros mais próximos, justamente aqueles que forneciam calor vital, naquela altura uma questão de vida ou morte. Então, precisaram se afastar, feridos, magoados, sofridos. Dispersaram-se por não suportar mais tempo a dor que lhes causavam os espinhos dos companheiros. Mas essa não foi a melhor solução. Afastados, separados, logo os porcos-espinhos começaram a morrer de frio.
  Os que não morreram voltaram a se aproximar pouco a pouco, com jeitinho, cheios de precaução e de tal forma que, embora unidos, cada qual conservasse uma distância mínima segura do outro, mas suficiente para extrair calor e sobreviver sem magoar nem causar danos recíprocos. E assim, suportando-se, resistiram ao frio e sobreviveram.
   O trabalho em equipe é fundamental, por isso é preciso saber lidar com as diferenças individuais. Todos temos nossos espinhos, porém mais vale a energia da equipe que esforços individuais de sobrevivência. O melhor grupo não é o que reúne membros perfeitos, mas aquele em que cada um aceita os defeitos do outro e consegue perdão pelos próprios defeitos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

Como um arco íris

Difícil ser resiliente