Pular para o conteúdo principal

Corações Expansíveis



 O vinho novo do evangelho exige um coração elástico, uma vontade permanente de ver as coisas de novo e uma prontidão para fazer mudanças radicais no pensar e no fazer quando ouvimos Jesus em sua palavra, chamando-nos para segui-lo em novos avanços espirituais. Por esta razão a palavra de Cristo tem que ter novidade perene em si até para o cristão. Ela será sempre ameaçadoramente nova para o mundo incrédulo que tem uma orgulhosa tendência a endurecer suas categorias contra a vontade de Deus. Mas, como os fariseus demonstraram amplamente, não é só o mundo sem religião que resiste ao fermento atemorizador do evangelho, pois nenhuma mente temeu o evangelho tão profundamente como o tradicionalismo religioso entrincheirado.

A fé no Filho de Deus é dinâmica, não estática, e a companhia dele uma aventura sem fim; não porque ele é mutável, mas porque nossa compreensão e aplicação de sua eterna vontade precisam estar sempre crescendo e aumentando. Tudo o que Deus já cumpriu em nossas vidas é somente preparação para o que ele está para fazer. Estamos envolvidos numa transformação importante, cuja meta insuperável é a imagem do próprio Cristo (Romanos 8:29; Efésios 4:13-15). Portanto, nossos corações precisam ser sempre expansíveis, prontos a receber uma nova lição de santidade e pureza. Apenas começamos a ser o que Deus quer que sejamos.

Às vezes, somos tentados a pleitear com nosso Pai pelo fim das mudanças, dos desafios, dos problemas. Queremos apenas sentar-nos e gozar o que já fizemos por algum tempo, sem as dores do esforço das novas crises e dificuldades. O problema é que esta ânsia por descanso pode levar a um endurecimento espiritual que fará da nossa experiência com Deus apenas uma memória. Você pode vê-la em cristãos que estão completamente descomprometidos com os desafios e oportunidades presentes, seu único exercício espiritual sendo um contínuo rearranjo do passado.

A imensidade do que Deus tem em mente para nós é poderosamente afirmada na oração de Paulo pelos efésios: "para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior; e, assim habite Cristo no vosso coração, pela fé ... para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus" (Efésios 3:16-19). Não é de admirar que, depois desta incrível petição o apóstolo entregue o assunto nas mãos daquele "que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos" (3:20). Somente Deus poderia conseguir tal maravilha: que por duas coisas, fé e amor, poderemos ser cheios até a plenitude das glórias e poder do eterno Deus. Quanto nosso Pai nos amou!

Mas para sermos cheios de tal plenitude precisamos oferecer a Deus algo mais do que corações rígidos, inflexíveis. Os avanços de ontem em fé e amor são odres velhos. Não serão suficientes para conter os novos entendimentos que estão por vir. Cada novo dia de vida é dedicado a nos ensinar novas lições que nos fazem sentir refrescados no amor de nosso Pai. Precisamos saudar cada uma delas com um coração aberto e desejoso. A grandeza de Cristo não pode ser despejada em odres velhos de personalidades sóbrias, pressuposições fixas, preconceitos endurecidos, e idéias predeterminadas. Quando confrontadas por um profundo entendimento da vontade de Cristo, rígidas e velhas categorias podem, ou resistir e nos tornar em insensíveis ideólogos religiosos, ou romper desastrosamente para a perda de toda a fé. É uma perspectiva amedrontadora.

Uma vez que o Senhor toma residência em nós, um processo dinâmico começa pelo qual todas as coisas são renovadas (2 Coríntios 5:17). Porque é um processo que precisa continuar enquanto vivemos, precisa sempre haver uma borda verde para nós, uma parte vivente e crescente. Não é uma questão de mudar com o tempo, mas de mover-se para mais perto do intemporal. A meta da corrida está imóvel, mas o corredor precisa sempre estar se esforçando para frente, pressionando, correndo esforçadamente em direção a ela (1 Coríntios 9:24-27; Filipenses 3:12-14).

Precisamos por todos os meios evitar de ver esta grande aventura com Cristo como correr em posição, repetindo os mesmos velhos imaturos e inadequados esforços com intensidade sempre crescente. Fazer assim é repetir a loucura de cabeça vazia dos fariseus que, em vez de abrirem-se a um mais amplo entendimento de Deus, se tornavam mais zelosos de suas concepções meio formadas (Mateus 23:23-24). Nunca estamos mais em perigo desta paralisante imobilidade do que quando somos convertidos à igreja, antes que a Cristo. Quase sem sabê-lo, podemos tornar-nos fiéis às concepções que nossos irmãos têm mantido sobre as coisas durante um particular período da História, antes que unir-nos firmemente a Cristo e sua palavra e o que quer que exija novo entendimento, que a vontade divina possa colocar sobre nós. Quando cristãos querem defender coisas erradas porque já têm praticado tais coisas no passado, acabam sendo fiéis ao sistema. Tal mentalidade nos impede de fazer o que devemos no serviço a Cristo. Ser um verdadeiro seguidor de Cristo exige um coração flexível, expansível. Cristo e sua vontade não mudam; mas nós precisamos mudar, continuamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …