Pular para o conteúdo principal

Você não é um João-ninguém

Ainda não fomos muito longe, mas já é hora de um questionário. Arranque do banco da sua memória uma folha de papel de rascunho e veja como você se sai nas seguintes perguntas:
1.  Quem ensinou a Martinho Lutero sua teologia e inspirou sua tradução do Novo Tes­tamento?
2.  Quem visitou a Dwight L. Moody numa loja de calçados e falou-lhe a respeito de Deus?
3. Quem trabalhou ao lado de Harry Ironside e o incentivou como seu pastor auxiliar?
4.  Quem era a esposa de Charles Haddon Spurgeon?
5.  Quem era a mulher idosa que orou fiel­mente a favor de Billy Graham por mais de vinte anos?
6. Quem financiou o ministério de William Carey na índia?
7. Quem revigorou o apóstolo Paulo naquela masmorra romana enquanto ele escrevia sua carta a Timóteo?
8.  Quem ajudou Charles Wesley a pôr-se a caminho como compositor de hinos?
9. Quem encontrou os Pergaminhos do Mar Morto?
10.   Quem pessoalmente ensinou a G. Campbell Morgan, o "expositor incomparável", suas técnicas no púlpito?
11. Quem sucedeu a Hudson Taylor e deu à Missão da China Continental sua notável vi­são e direção?
12. Quem disciplinou George Müller e arre­batou-o de seu estilo de vida pecaminosa quando jovem?
13. Quem foram os pais do piedoso e dotado profeta Daniel?
Muito bem, como é que você se saiu? Mais de 50 por cento? Talvez 25 por cento? Não chegou a tanto?
Antes que você se desculpe por sua incapa­cidade de responder às perguntas chamando o questionário de "insignificante", melhor é parar e pensar. Não fora por aquelas pessoas desconhecidas — aqueles "joões-ninguém" — uma enorme parcela da história da igreja es­taria faltando. E vidas e mais vidas não teriam sido tocadas.
Joões-ninguém.
Que necessário bando de homens e de mulheres . . . servos do Rei. . . não obstante sem nome no reino! Homens e mulheres que, com heroísmo silencioso, mas com fiel diligência, desistiram da luz da ribalta e viveram à som­bra de figuras públicas.
Como é que Jim Elliot, o martirizado men­sageiro do evangelho aos Aucas, definia os missionários? Algo como um bando de joões-ninguém tentando exaltar Alguém.
Mas não confundamos anônimos com des­necessários. Do contrário, todo o Corpo fica aleijado . . . paralisado mesmo . . . ou, na mel­hor das hipóteses, terrivelmente aturdido à medida que a maioria dos membros que estão no Corpo se tornam enfermos com auto-compaixão e desânimo. Enfrente isto, amigo: o Cabeça do Corpo, atira como quer. É prerro­gativa dele dar publicidade a alguns e ocultar outros. Não me pergunte por que ele escolhe aqueles a quem ele usa.
Se ele deseja usá-lo como um Melanchthon e não como um Martinho Lutero ... ou um Kimball em vez de um Moody ... ou um Onesíforo em vez de um Paulo ... ou um Hoste em vez de um Taylor, aceite!
Melhor do que isso, dê louvor a Deus! Você está entre aquele grupo de elite mencionado em 1 Coríntios 12 como:

... e alguns dos membros que parecem ser os mais fracos e menos importantes são, na realidade, os mais necessários .. . Assim, Deus armou o corpo de maneira tal que se dão um cuidado e uma honra especiais àque­les membros que, de outro modo, poderiam parecer menos importantes (vv. 22, 24, BV).

Se não fossem os heróicos "joões-ninguém", não teríamos oficiais de primeira ca­tegoria para dar a uma igreja sua liderança. Ou o som de qualidade quando todos se apresentam para adorar. Ou os zeladores que fa­zem a limpeza depois que todos se retiraram. Ou as comissões que proporcionam dezenas de serviços nos bastidores. Ou os voluntários de missão que fornecem pessoal aos escritó­rios no país ou trabalham na obscuridade além-mar apenas com um punhado de pessoas. Pensando bem, se não fosse por esses fiéis "joões-ninguém", você não teria este livro em suas mãos neste preciso momento.
Joões-ninguém . . . exaltando Alguém.
É você um deles? Ouça-me! São os "joões ninguém" que Alguém escolhe com tanto cui­dado. E quando ele escolheu você para desempenhar esse papel, ele não o considerou um joão-ninguém.

Anime-se!

Charles R. Swindoll, Livro Dê-me Ânimo, pg 14, 1999, SP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …