Pular para o conteúdo principal

Um chamado vencedor

O Dr. Alexandre Duff foi um notável veterano das missões na Índia.
Já bastante velho, regressou à Escócia, sua terra natal, para lá morrer.
Na reunião da Assembléia Geral da Igreja da Es­cócia, ele dirigiu uma sessão em que apelou viva e poderosamente a jovens para que dedicassem suas vidas à obra missionária na Índia. Mas, ninguém res­pondia ao apelo.
Dominado e eletrizado pelo apelo que fazia, o velho missionário desmaiou e caiu, e foi retirado do púlpito.
Um médico o atendia e examinava o coração, quando, repentinamente, o veterano abriu os olhos e perguntou: "Onde estou? Onde estou?"
O médico respondeu: "Fique calmo. O seu cora­ção está muito fraco".
O velho lutador logo o interrompeu, dizendo: "Mas eu preciso terminar o meu apelo. Leve-me ao púlpito. Leve-me ao púlpito. Eu não havia encerrado o meu apelo".
E o médico tornou a dizer: "Acalme-se. O senhor está muito fraco para voltar ao púlpito".
Mas o idoso missionário não queria deixar de fa­lar. Reunindo suas combalidas forças, pôs-se de pé, e, amparado de um lado pelo médico e de outro pelo presidente da assembléia, o lutador de cabelos bran­cos foi levado ao púlpito. O auditório, em peso, pôs-se em pé, admirando e homenageando a coragem dele. E, então, ele encerrou o seu apelo, dizendo: "Quando a Rainha Vitória convidou voluntários para a Índia, jovens às centenas se apresentaram. Mas, quando o Rei Jesus chama, ninguém vai".
Fez uma breve pausa, e prosseguiu: "Será que a Escócia já não tem mais filhos para dar à Índia?"
Esperou um bocado, e nada de resposta. Houve um silêncio mais que profundo.
Daí, o velho soldado de Jesus avançou, e, sentin­do o pesado fardo de milhões de pessoas ainda não alcançadas na Índia pelo Evangelho, concluiu: "Mui­to bem; se a Escócia já não tem jovens para enviar à Índia, eu, muito embora cansado e decrépito, voltarei para lá; e mesmo que já não tenha forças para pregar, descerei e me deitarei às margens do Ganges, e ali es­perarei a morte, para que os povos da Índia saibam que pelo menos um dos filhos da Escócia ainda se in­teressa bastante por suas almas a ponto de dar sua vida por eles".
Quando o veterano lutador se voltou para deixar o púlpito, o silêncio por fim foi quebrado, e muitos e muitos jovens correram ao encontro dele, dizendo-lhe à uma voz: "Eu vou! Eu vou! Eu vou!"
E depois do falecimento do Dr. Duff, muitos da­queles jovens foram para a Índia, dedicando suas vi­das à obra missionária, como resultado da compre­ensão e visão de um antigo soldado do Evangelho.
E que se pode dizer a seu respeito, amado leitor? Irá você também ao campo missionário? Deus lhe fa­lou ao coração? Tem já ouvido o clamor desses mi­lhões que ainda estão sem o Evangelho? O Senhor da seara já lhe revelou a necessidade desses povos? E você já respondeu, dizendo: "Senhor, eis-me aqui; envia-me a mim?"
Você pode ser um acionista desse movimento que está tão achegado ao coração de Deus, ganhando o não-salvo para Cristo. Nem todos podem deixar a pá­tria, a casa, mas onde estão, onde vivem, podem ob­ter a coroa do ganhador de almas.

A tarefa suprema de cada cristão verdadeiro é a evangelização do mundo.
T.L.Osborn

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …