Ás vezes

Às vezes eu quero chorar; mas os olhos não deixam;
Eu quero gritar, mas a voz não chega;
Quero correr, mas as pernas não vão;
Fazer, mas o tempo não permite;
Às vezes eu quero confessar, mas a vergonha aparece;
Eu quero apenas olhar, mas a multidão impede;
Quero abraçar, mas os braços não se abrem;
Achegar-me, mas o corpo não cede;
Às vezes eu quero um beijo, mas os lábios não se tocam;
Eu quero ouvir, mas só há silêncio;
Quero conversar, mas não há alguém;
Sorrir, mas a alegria não surge;
Às vezes eu quero brincar, mas espaço não tem;
Eu quero companhia, mas só a solidão aparece;
Quero pular, mas o chão foge;
Ajudar, mas as oportunidades somem;
Às vezes eu quero uma música, mas o som emudece;
Eu quero trabalhar, mas não há vagas;
Quero dormir, mas o sono se esconde;
Ver uma estrela, mas o céu se fecha;
Às vezes eu quero uma brisa, mas o vento não passa;
Eu quero você, mas onde você está?
Às vezes...



Por Joaquim Queiroz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

Como um arco íris

Difícil ser resiliente