Pular para o conteúdo principal

A PRÁTICA MÉDICA NOS PRIMEIROS TEMPOS DA COLÔNIA


No período da colonização das terras luso-brasileiras os profissionais de medicina foram curandeiros que vieram com escravos da África, os pajés que conheciam as plantas nativas e tinham um enorme conhecimento do que hoje chamamos de homeopatia. Outros, porém vieram ao Brasil com certa habilitação médica para tal profissão como alguns jesuítas, boticários e barbeiros, fora claro alguns curiosos que atuam na área.
No meio de tanta gente que lhe dava com práticas médicas no período colonial, podemos destacar as diferenças entre um cirurgião barbeiro e um simples, o primeiro podia praticar toda cirurgia da época, enquanto o simples barbeiro estava limitado a aplicação de ventosas e sarjas, ao sangramento e finalmente a famosa extração de dentes onde suas atividades nem sempre dependiam da aprovação de um físico ou de um cirurgião aprovado com todas as licenças para atuar no ramo medicinal.
Essas licenças como toda uma formação eram realizadas na Europa nas famosas e conceituadas escolas médicas européias. Claro que com todo o conhecimento teórico, práticas de ensino e referências que na época possuíam. Principalmente para aqueles que iriam ocupar os principais cargos era necessária ter-se tal formação.
Em primeira fase quem muito contribuiu no Brasil foram os jesuítas, muito deles trazidos pra cá por Tomé de Souza, governador geral a partir de 1549. O papel significativo dos jesuítas foi desempenhado ao longo do tempo no desenvolvimento da arte de curar em suas enfermarias. Esse importante trabalho foi desenvolvido pelos jesuítas diante da escassez de médico na Colônia, eles prestaram socorro aos enfermos através da prescrição de receitas, sangrias e até cirurgias apesar da proibição da Igreja Católica, para tanto foi solicitado a Roma que fosse suspensa tal proibição por causa da falta de cirurgiões na Colônia e consequentemente em suas missões catequistas.
No surto epidêmico de febre amarela em Pernambuco no final do século XVII os padres dos colégios de Olinda e Recife auxiliaram tanto no sentido espiritual quanto corporal aos nativos atingidos pela peste. Por causa das doenças endêmicas vários estudos sobre plantas medicinais foram empreendidos pelos jesuítas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …