Pular para o conteúdo principal

Deus o patrono do casamento


A Escritura Sagrada afirma: "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam" (Salmo 127.1). Podemos entender casa também como casamento. Se o Senhor não edificar o casamento, todos os esforços humanos serão inúteis. "Um bom casamento não é apenas um contrato entre duas pessoas, mas uma aliança sagrada entre três - Deus, a esposa e o marido. Se não nos dedicarmos a dar honra a Deus, não há muito que possamos fazer para resistir à crescente degradação e destruição do laço conjugal hoje em dia."6
O fracasso de muitos casamentos tem uma única explicação: a ausência de Deus na vida do casal. Não que Deus se tenha ausentado dessas pessoas, mas elas se tornaram impermeáveis à atuação divina. Isto pode ser ilustrado com uma maneira rudimentar usada para proteger plantas da geada, em alguns lugares: as pessoas cobrem as plantas com um plástico; a geada cai sobre elas, mas o plástico não deixa que elas sejam atingidas. Muitos casais têm colocado plásticos espirituais sobre seu casamento, impedindo assim que ele seja atingido pelas bênçãos de Deus. Tais plásticos podem ser a indiferença, o desinteresse ou a incredulidade. E o resultado é o fracasso.
Martin Luther King Júnior afirmou que a maioria das pessoas pode ser considerada ateus práticos. E explica: "Não negam a existência de Deus nas palavras, mas a negam constantemente nas suas vidas. Vivem como se Deus não existisse. Talvez, ao riscar Deus das suas agendas, não tenham bem consciência disso. Muitos deles não terão dito abertamente: 'Adeus, Senhor, vou deixar-Te\ mas estão tão preocupados com as coisas deste mundo que, inconscientemente, se deixam arrastar pela maré impetuosa do materialismo".7
A vida conjugal pode ser comparada à travessia de um oceano. Nessa viagem há muita coisa linda para ser admirada, momentos de grande deslumbramento e alegria. Mas há também temporais longos e perigosos, rajadas de ventos impetuosos e ondas altas e ameaçadoras. E se o casal não se mantiver numa profunda comunhão com Deus, ficará sem defesa diante das dificuldades, das desilusões e dos perigos.
John e Betty Drescher escreveram: "Se estivéssemos começando outra vez nosso casamento, faríamos um compromisso mútuo, desde o início, a fim de colocar em prática aquelas atitudes e atos que colocam Deus no centro de nosso lar".


Por: Adão Carlos Nascimento, Oficina de Casamento, 2001. ed. Apoio Pastoral.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …