Leia a Bíblia


Sente-se a influência da vida de fé de Jorge Muler em todo o mundo. Não pedia auxílio ao próximo, mas sempre a Deus. Diz-se que, por mais de vinte e cinco mil vezes, Jorge Muler recolheu-se para dormir sem ter nada para si nem para os órfãos comerem no dia seguinte. Quando lhe perguntavam se conseguia dormir, respondia: 'Todas às vezes “. E o número de órfãos que tinha sob seu cuidado, às vezes, chegava a dois mil!
Quando um amigo quis saber o segredo desta fé, Jorge Muler levantou sua Bíblia, já gasta, e confessou: "Tenho lido este Livro todo cem vezes. Conheço o Livro e conheço o Deus do Livro".
Jorge Muler deu as seguintes regras para a leitura das Escrituras:
1)   Ler as Escrituras, inteiras, com regularidade. Ler capítulos do Antigo e do Novo Testamento, um após outro. Iniciar com o começo de cada um; marcar o lugar onde se finda e começar no mesmo lugar no outro dia. Ao findar cada Testamento, começar de novo.
2)   Lê-las com oração. Não podes entender a Palavra de Deus por teu próprio entendimento. Em toda a leitura das Escrituras, procura o auxílio do Espírito Santo. Pede, pelo amor de Jesus, que Ele te ilumine.
3)   Lê-las com meditação. Reflete no que lês. É assim, que a verdade penetra no coração. Alcançarás outros e mais profundos sentidos. É melhor pensares um pouco, do que somente ler, sem parar, uma grande porção.
4)   Lê-las aplicando-as a ti mesmo. Nunca leias somente com o alvo de instruir o próximo, mas aplica-as à tua própria edificação. Recebe a bênção parati, primeiro, e depois podes transmiti-la aos outros. Pergunta sempre: "Que aplicação tem isto para mim?"
5)   Lê-las com fé. Não como afirmações em que podes crer ou não, mas como a Palavra revelada por Deus. Aceitar toda a Palavra como verdadeira, com a confiança simples de criança. Descansar nas promessas. Lê-las como dirigidas a ti mesmo.
6)   Lê-las com o alvo de observá-las. Devemos aceitar a Palavra de Deus como revelação da sua vontade. Nela, Ele nos diz o que devemos ser e fazer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

Como um arco íris

Difícil ser resiliente