Saudades...


Como é destino? 
É só o que me deixas?
Saudades!
Se fosse pintor a tela seria colorida por ela.
Ah! Os dias não tem sido fáceis. 
Atordoado por lembranças, a garganta emudece. 
Uma música ou fotografia, a brisa que passa ou um dia frio. 
Para mim tanto faz.
Recordações perseguem-me sem folgas.
Confesso-te que não me satisfaço com pouco de ti.
Meu amor é do tipo (irascível).
Então vinde a mim que te aguardo voluntariamente.
Doce será a hora em que responderás a meus anseios.
Agora, não encareis minha súplica como pedido de consolo;
Almejo simples momentos completos da tua presença.
(Joaquim Queiroz)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A ENTRADA DA IGREJA NOS CÉUS

Como um arco íris