Pular para o conteúdo principal

NATAL - A História que Deus Escreveu e Dirigiu?


O Natal com toda a certeza é a festividade mais concorrida no mundo da cristandade. Músicas especiais, frutas e comidas especiais, presentes, roupas e calçados novos, e muito mais. Há um certo encanto no ar, não podemos negar. Ainda que o Natal, em uma sociedade que se torna cada vez mais materialista esteja se esvaziando em seu sentido, nós os cristãos nos emocionamos ao chegarmos ao mês de dezembro.
            O que é que há, afinal de contas, no Natal de tão especial? Por que as pessoas saem correndo às compras, os arranjos enfeitam ruas, lojas, Bancos, residências? Por que onde quer que vamos, ouvimos tocado ou cantado a doce melodia - Noite Feliz? Aqui na cidade onde resido, há uma residência onde o proprietário confeccionou um Papai Noel tamanho de gente, com um sino na mão e com uma engenhoca que gira fazendo com que de quinze em quinze segundos seu braço levante e toque o sino. Todas as pessoas que passam em frente aquela casa param para ver aquele arranjo de Natal, no mínimo, bastante sui generis. (única e singular) O que é que acontece com as pessoas nessa época do ano? Parece que elas se tornam mais gentis, mais sorridentes, mais educadas, mais comunicativas. Por que as famílias se reúnem? Pessoas viajam, as filas nos correios crescem, as linhas telefônicas congestionam, os restaurantes não têm mais reservas, os pacotes de viagem ficam mais baratos, os fogos de artifícios são vendidos nos cruzamentos? Por que no Natal há tanta agitação? Por que?
            Talvez você não concorde com a minha resposta. Mas, eu particularmente creio que isso tudo acontece porque o Natal é a rememoração, a recordação e a comemoração da mais bela história que alguém já contou. Não há na história da humanidade um episódio mais belo que o relato do nascimento de Jesus. Já li muitas histórias bonitas; ficção e relatos de fatos. Cito alguns - Os Miseráveis, O Conde de Monte Cristo, Moby Dick, A Ilha do Tesouro, Êxodus, Trindade, Colinas da Ira, e tantos outros clássicos. Mas nenhuma dessas histórias pode se assemelhar à História do Natal. Por que?

  a-) Porque foi Deus quem compôs cada capítulo dessa história, foi ele quem dirigiu cada ato dessa peça, quem soberanamente dispôs cada personagem. Trata-se de uma obra de inigualável valor. Dessa história Ele é autor e personagem principal.
  b-) Porque é uma história verdadeira, não uma ficção.
  c-) Porque essa história dá sentido para toda a história do homem.
  d-) Porque é uma história que fala de um Deus que se vestiu da pele humana e, se compadecendo dos seus, morreu por eles quitando assim a impagável dívida que tinham para com Ele. É a história do Perdão.
  e-) Porque é uma história que fala de amor. De amor de verdade! Porque Deus amou de tal forma que deu seu Filho para que todo que nEle crê, receba a Vida Eterna.
  f-) Porque mostra que o caminho para a glória do Trono, passa inevitavelmente pelo trecho do berço e da manjedoura humildes e da cruenta cruz.

            Há muitas outras razões pelas quais cremos que o Natal é a mais bela história. Mas se tivermos essas razões acima em nossas mentes e corações, certamente o ano que se inicia em breve será de fato um ano de muitas realizações e bênçãos. Essa história tem que ser lembrada, contada e vivida na perspectiva de que o menino que nasceu em Belém e morreu em Jerusalém, está vivo! Certamente não está nos presépios e nem nos cartões de Natal e Felicitações, mas sim nos corações daqueles que sabem o que é o Natal.
(autor desconhecido)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …