Pular para o conteúdo principal

Derrubando as muralhas das mágoas não saradas

Jesus ajudou a mulher samaritana a derrubar sua mura­lha de mágoas não saradas com a verdade e a compaixão -falando a verdade em amor. O Médico dos Médicos tratou de suas mágoas não saradas...

1. Confrontando a dor. Antes de uma mágoa ser curada, a dor deve ser reconhecida e admitida.
2. Enfrentando a realidade. A negação geralmente deixa as mágoas intocadas e conseqüentemente não saradas. Não podemos correr da verdade.
3. Descrevendo a mágoa. Jesus descreve corretamente as si­tuações nas quais a mulher foi magoada.

A oração é uma ferramenta eficaz usada pelo Espírito de Deus para nos ajudar na cura. Assim como a mulher samaritana conversou com Jesus e tratou de suas mágoas não saradas, da mesma forma podemos ter comunhão com Ele e orar através de nossa dor. Como? Vá para a Palavra de Deus que cura.
Leia os Salmos. Marque todos os lugares que fala do con­solo, cura e perdão de Deus. Sublinhe cada lugar que fala so­bre aflição, mágoa e dor. Leia diariamente pelo menos uma passagem sobre aflição e uma sobre cura, sabendo que Deus entende sua mágoa e deseja curar e restaurar você.
Os maridos e as esposas podem começar a derrubar a muralha espiritual de mágoas não saradas identificando pri­meiramente a dor profunda nas memórias cauterizadas dos eventos dolorosos. Depois eles podem ir à Bíblia para recebe­rem o bálsamo curador da Palavra e Espírito de Deus para suas vidas.
O confronto da realidade da mulher samaritana feita por Jesus foi a Sua afirmação, "Vai, chama teu marido e vem cá." (Jo 4:16)
Ele observou através de suas perguntas religiosas e atitu­de defensiva que a verdadeira dor estava abaixo da superfície. Ele confrontou a causa da dor - rejeição. As muralhas de má­goas emocionais emergem rapidamente da rejeição. Os cônju­ges experimentam a rejeição um do outro de várias formas. Mas a despeito das razões e circunstâncias, a rejeição geralmente coloca uma muralha espiritual entre os cônjuges.
Um outro tijolo da muralha de mágoas não saradas é a invasão, que ocorre quando um cônjuge invade os limites do outro cônjuge. Por exemplo, o marido insiste em fazer algo a seu modo e passa por cima dos sentimentos, pensamento, opi­niões e desejos da esposa como um rolo compressor. Quando Gary Smalley reflete sobre este tipo de mágoa, ele aconselha, "Peça permissão para entrar no espaço de alguém." 1 Quando um cônjuge viola 1 Coríntios 13:5 e insiste em fazer as coisas a seu próprio modo, a mágoa aparece e as muralhas espirituais são erigidas.
Uma muralha espiritual de mágoas não saradas pode tam­bém ser causada pela indiferença, falta de atenção e negligên­cia. A esposa pode entender que seu marido é indiferente às suas necessidades físicas, emocionais ou espirituais. Ela pode desejar orar ou buscar a Deus, mas ele não demonstra interes­se algum em seus desejos espirituais. Ele não lhe dá atenção, não a valoriza ou sequer ouve quando os assuntos espirituais são discutidos. Ele negligencia até mesmo as disciplinas mais simples como agradecer antes das refeições ou ir aos cultos com ela. Quando uma esposa é espiritualmente magoada no início de seu casamento, ela pode se retrair, parando de buscar a Deus com seu marido.

Finalmente, o legalismo pode construir uma muralha qua­se impenetrável entre os cônjuges. Se o marido ou a esposa tem uma religião estritamente legalista que está pronta para jul­gar e tardia em perdoar, o cônjuge que quebrar as regras é se­veramente exortado pelo cônjuge legalista. A exortação severa de crítica e julgamento fere espiritualmente quem viola as re­gras. Como resultado, o cônjuge legalista geralmente lembra o culpado de seus pontos fracos e fracasso sem nunca perdoar, apoiar ou edificar o outro. Tal legalismo destrói a importância espiritual daquele que é constantemente acusado. Devemos tomar cuidado para não cairmos nas mãos do acusador. Não somos Deus e conseqüentemente não somos juiz ou legislador. Jesus nos admoesta severamente: "Não julgueis, para que não sejais julgado." (Mt 7:1) Paulo nos encoraja dizendo: "Agora, pois, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus." (Rm 8:1)
Quaisquer que sejam as causas das barreiras espirituais de mágoas não saradas, o bálsamo curador vem do exemplo de Cristo em João 4 com a mulher samaritana. Ele não só a ajuda a identificar sua dor mas também lhe diz como encon­trar as águas vivas que curam. Você pode seguir Seu modelo orando durante o derrubar de suas próprias mágoas e depois orar as mesmas orações em voz alta para que seu marido a ouça.

·                Confronte a dor.
·                Enfrente a realidade.
·                Descreva a dor.

Quando você admitir sua dor, estará pronta para se arre­pender e perdoar. O arrependimento e a confissão significam que você deixou para trás a dor passada e se recusa a sentir a mesma dor. Jesus leva a sua dor para a cruz.
"Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores le­vou sobre si; e nós o [Cristo] reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido." (Is 53:4) Quando Ele toma sobre Si a nossa dor em arrependimento e confissão, Jesus nos cura, "...e por suas pisaduras fomos sarados." (Is 53:5)

(Larry Keefauver)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …