Pular para o conteúdo principal

A Igreja Local de Witness Lee - Parte 01

ZELOSO E ENGANADO: EU TINHA PERDIDO O CAMINHO Arthur M. Casci


Nosso Senhor Jesus disse: “Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará”. Esse versículo ainda me vem a cabeça quando me lembro de uma experiência que tive há mais de 10 anos.

Tudo começou quando um amigo pregou o evangelho para mim. Eu tinha sido criado numa família que freqüentava a igreja, mas rejeitei o cristianismo aos 18 anos. Quando Jeff me falou sobre o perdão dos pecados, eu disse, “cai fora!” Mas algumas semanas mais tarde eu fui num estudo bíblico e o Espírito Santo colocou a fé no meu coração. Eu me arrependi e cri no evangelho; aos 21 anos de vida, minha vida começou.

O movimento “Jesus People” (Povo de Jesus) estava no seu auge, e eu adorava a atmosfera informal, quando sentávamos no chão, cantávamos e estudávamos a Bíblia. Eu visitei algumas igrejas, mas achei que elas estavam “mortas” e haviam abandonado Jesus. Como muitos outros da minha idade, eu era rebelde e desconfiava de qualquer organização liderada por adultos de classe média. Zeloso por Jesus, eu não podia entender por que outros não eram tão entusiasmados quanto eu. Essa mentalidade, junto com uma falta de fundamento bíblico, me deixaram totalmente vulnerável a doutrinas falsas.

Uma noite eu visitei um amigo cristão que tinha alguns convidados incomuns. Eles eram evangelistas jovens e entusiasmados, pertencentes a um grupo chamado “Meninos de Deus”. Eles acreditavam que cristãos não deviam ter empregos comuns, mas que tinham de deixar seus empregos, casa, família, e bens para pregar nas ruas.

Quando me dei conta, eu já tinha deixado meu emprego e estava pronto para viajar com esses pregadores de rua para cidade de Dallas, no Texas, onde havia uma de suas filiais. Felizmente, outros queridos amigos cristãos que eu tinha visitado não permitiram que eu fosse, e assim impediram que eu me juntasse a uma seita (pelo menos por um tempo). Eu ainda tinha um desejo ardente de servir Jesus com todo o meu coração – mas agora eu já não tinha mais emprego.

Randy, um outro amigo, me convidou para ir com ele à cidade de Akron, Ohio, para me apresentar a uma outra organização. Mais uma vez, eu arrumei minha mochila e fui. Desta vez ninguém me impediu.

Nunca esquecerei minha primeira visita à organização. Na reunião, eles cantavam em altas vozes, clamavam versículos de Bíblia, dançavam, e, um por um, davam testemunho do que Jesus significava para eles. Eu vi jovens e velhos, negros, brancos, e orientais.

Imediatamente me juntei ao cântico e ao clamor. Mentalmente, eu tinha algumas duvidas, mas emocionalmente eu já estava totalmente envolvido. O amor, união, e o volume do culto me impressionaram. Pensei comigo mesmo: eis pessoas que realmente amam Jesus e não têm medo de mostrar isso.

Naquela noite, depois de reunião, Randy me apresentou a muitos deles. Eles logo me deram boas vidas e demonstraram grande interesse em mim. Eu perguntei se poderia ficar uma ou duas semanas, como experiência, e eles me puseram num duplex com outros 10 membros, e disseram que eu poderia ficar até que decidisse se queria me juntar ao grupo.

Ninguém me forçou a me juntar ao grupo. Ninguém precisou me forçar. Eu estava maduro para a colheita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …