Pular para o conteúdo principal

A Igreja Local de Witness Lee - Parte 03

Meu zelo pelos ensinamentos de Lee me promoveu a posições de responsabilidade no grupo. Em apenas seis meses, eu era o líder da casa de solteiros. Eu recrutava novos adeptos fervorosamente, e nunca perdi nenhuma das 4 a 6 reuniões semanais mandatórias. Os fins de semana eram para o recrutamento de novos adeptos, e feriados eram para conferências em vários lugares. Tais obrigações, e mais um emprego em tempo integral, me deixaram exaustos.

O estilo de vida é semi-comunal. Os membros não possuem propriedade privada; entretanto, um forte sentimento de comunidade e de divisão de bens materiais é encorajado. Uma vez que a pessoa se junta à organização, há provisão para suas necessidades básicas. Sem preocupações sobre essas necessidades, o membro então obedece à hierarquia mais completamente.

Eu me lembro que umas 100 pessoas foram transferidas da Califórnia para o estado de Virginia para que formassem um novo grupo lá. A organização cuidou desses membros até que eles pudessem se estabelecer em seus novos lares. Esse tipo de transferência era comum. A cada ano, os líderes pediam a um número de membros que se mudassem para uma cidade diferente. Alguns eram ordenados a mudarem, enquanto que outros iam voluntariamente. Era esperado que cada pessoa fosse sempre relocada depois de alguns anos.

No natal de 1972 eu enfrentei um dilema: ou ia para casa, para ver meus pais, ou ia a uma conferência em Detroit. Eu queria ir para casa, mas fui pressionado a ir para Detroit. Uma lei da organização, ainda que implícita, era que a pessoa devia esquecer de sua família e se comprometer com a causa. Eu me lembro da minha mãe chorando ao telefone quando eu disse a ela que não poderia estar com eles no natal, pelo segundo ano seguido. Eu fui a Detroit para mis um fim de semana de cantaria, gritaria, e doutrina.

Pela providência divina, porém, essa escolha aparentemente errada deu uma reviravolta na minha vida e no meu comprometimento. Um homem pregou sobre o rei Davi que teve o coração arrependido perante Deus. Ele nos encorajou a termos o coração arrependido, como Davi. Obviamente, o que o pregador queria dizer era que devíamos ter corações dispostos a serem ensinados pelo movimento e prontos a obedecerem aos líderes. Mas o que ele disse, o Senhor usou para o bem.

Eu voltei daquele fim de semana com uma atitude diferente. Eu ainda tinha um compromisso forte com o movimento, e ainda não pensava em sair. Mas eu estava determinado a permitir que as Escrituras falassem comigo, e estava disposto a me arrepender a qualquer coisa na minha vida que não se alinhasse com as Escrituras. Essa mudança no coração, operada pelo Espírito Santo, foi o que me deu o ímpeto para deixar o grupo.

Nos próximos seis meses, eu continuei a ser ativo no movimento. Eu me tornei um dos líderes do grupo de jovens, ouvindo os ensinamentos de Witness Lee em fitas cassete (que vinham da central em Los Angeles) e repetindo o conteúdo nas reuniões.

Eu ouvia as fitas, mas ao mesmo tempo eu passava mais tempo estudando individualmente a Palavra. Eu acordava cedo para orar, ler e buscar ao Senhor. Comecei então a ter duvidas sobre o que tinha sido ensinado. Percebi que deveria obedecer a Deus a não ao homem, e que, ao contrário do que Lee dizia, minha mente era uma coisa boa que Deus queria renovar e usar. Os cânticos e a prática de “Orar-Ler” a Palavra se tornaram estranhos para mim à luz das Escrituras que ensinam um Deus de ordem e de razão.

O processo havia começado. Numa manhã de abril, quando morava em Cleveland, eu saí do grupo. Nas duas semanas seguintes, quase tive um pane mental. Eu estava paranóico e exausto, não sabendo exatamente o que fazer, mas tinha a promessa de que o Senhor era o meu Pastor, e que ele nunca me abandonaria. Fui a um centro comunitário para pensar. As pessoas lá me levaram para uma igreja grande e antiga onde cristãos davam assistência a jovens universitários. Eu freqüentei alguns dos encontros, que eram informais como outros que havia freqüentado antes.

Numa noite um jovem leu Romanos 5:1, enfatizando que a paz com Deus era possível somente pela graça . Nossos esforços para agradar a Deus não serviam. Aquelas palavras me disseram tudo. Todo o meu zelo e dedicação tinham sido tentativas de agradar a Deus e ganhar sua aprovação. Minhas lágrimas escorreram. Finalmente eu estava em paz com a Sua graça.


Artur Casci é o pastor da Resurrection Lutheran Church (Igreja Luterana da Ressurreição) em Detroit, Michigan. Este artigo foi publicado na edição da revista Lutheran Witness (Testemunho Luterano) de agosto de 1982. O autor concedeu permissão escrita para a reprodução eletrônica do artigo. Nota especial: o autor é da opinião de que o movimento da Igreja Local não deve ser considerado uma seita. Ele está aberto a discussões sobre a sua experiência pessoal com a Igreja Local. Ele pode ser contactado no seguinte endereço:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …