Pular para o conteúdo principal

Engenhos de Vicência

O Engenho Água Doce localizado no município de Vicência, produz cachaça 100% natural rigorosamente artesanal, produzida em alambique de cobre e envelhecida em barris de carvalho. Toda a produção obedece a critérios de qualidade, a cana é plantada sem agrotóxicos, os próprios restos da cana servem de adubo natural, tudo é bem utilizado. Observamos como o caldo foi extraído, todo o processo de fermentação e levedação. Muito bem explicado os tipos de cachaças ali fabricadas, a cachaça de cabeça que contém um alto teor devido o nível de metais, a cachaça de coração, a de melhor qualidade e mais produzida no Engenho Água Doce, e por último a cachaça de água fraca, seu nome por se só diz tudo.
O Engenho Poço Comprido situado no município de Vicência é um dos mais antigos e imponentes engenhos da região, tendo sido tombado pela IPHAN, em 1962. Possui um belíssimo conjunto arquitetônico, formado pela casa grande, capela e senzala, e toda Moita do Engenho (Fábrica) com a casa da moenda, casa da caldeira e casa de purgar. A casa grande é a única remanescente do século XVIII em Pernambuco, foi palco da última reunião da Confederação do Equador, com a participação de Frei Caneca um dos seus líderes. Na Capela tem um interessante altar-mor e auxiliares, coro, púlpito, cemitério ao lado das famílias Cavalcanti, Gayão e Guerra. O seu casarão abriga a exposição “Açúcar: Mostra do Engenho Poço Comprido”, onde painéis fotográficos retratam a época do açúcar e dos engenhos de Pernambuco. Além de ser o único que possui um pelourinho.
O Engenho Jundiá, também localizado em Vicência, berço do escritor Manoel Correia de Andrade, possui um conjunto de casa-grande, capela, restos de uma possível senzala e toda a fábrica. Ali podemos acompanhar todo o processo como era feito o açúcar, sua casa de purgar é um dos mais raros exemplos da época.  Sua casa-grande cuja construção começou em meados do século XIX, possui um belíssimo acervo de utensílios e objetos, quarto dos santos e riquíssimas fotografias que registram a trajetória da família tanto paterna quanto materna. A Capela de Santa Joana D’arc foi construída em 1965 por causa de uma promessa de Dr. Joaquim Correia, pai de seu João de Jundiá, pequena em sua extensão, mas apreciável o seu conjunto.
(Joaquim Queiroz)

Comentários

  1. Joaquim, queria dizer que estou passando aqui para lhe dedicar um selo de qualidade, onde seu blog é um dos 5 recomendadíssimos no meu blog.
    Os regulamentos estão lá.
    Que DEUS te abençoe muito mais, Abraços

    ResponderExcluir
  2. Ajudou muito no minha pesquisa...esta de parabenss!

    ResponderExcluir
  3. Onde posso comprar essa Cachaça?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …