Pular para o conteúdo principal

Fazendo dos ensaios uma benção



Não ensaie somente, louve ao Senhor!!! 

Introdução
Os ensaios em grupo são considerados fundamentais dentro de um ministério de música. Isto é inquestionável. Hoje em dia vejo que muita gente tem dado bastante importância a este ponto em especial, outros não têm levado o assunto tão a sério. A estes últimos deixo um alerta: é hora de mudar! As reuniões de ensaio fazem muita diferença no grupo de louvor, tanto para melhor, quanto para pior! A coisa é séria realmente. 
O problema do ensaio mal conduzido ou mal aproveitado é um problema tão sério quanto o problema de não ensaiar. Ocorrendo assim há possibilidade de várias conseqüências ruins aparecerem rapidamente:

- Cansaço físico do grupo. · 
- Cansaço mental do grupo. · 
- Futuro desentrosamento musical. · 
- Pouco aproveitamento e pouco aprendizado. · 
- Desperdício de tempo, que é muito precioso. · 
- Desunião e falta de comunhão. · 
- Etc


Nosso modelo 
Pensando neste problema em particular (mau proveito), descreverei a estrutura dos ensaios no estúdio eliérim . O modelo que estudei tem sido uma bênção para os grupos devido a importância direcionada tanto à parte espiritual quanto à parte musical. Gostaria que fosse uma bênção ao seu grupo também. Por esta razão, preste atenção nos detalhes e absorva o que você achar melhor. Se necessário adapte algumas regras ao modelo de ensaio de sua equipe. Vamos em frente?


Reservado aos músicos 
Bem, os ensaios são realizados separados. O horário entre o grupo escolhe normalmente são feitas duas horas por grupo uma sala pertence somente aos músicos. Eles oram por cerca de 10 minutos e depois iniciam a parte musical. Eles têm esse tempo para discutir as músicas, criar arranjos, definir tonalidades, introduções e finalizações e ensaiar.


Reservado aos cantores 
Em outro ambiente, ou seja, outra sala a outra parte do grupo chega para o seu ensaio, que também será particular. Exatamente neste tempo há oração com o grupo completo. Após isto os músicos se dirigem a uma sala especial para orar enquanto os vocais ensaiam. Assim o líder do grupo da atenção especial às vozes, assim como arranjos, tonalidades, semitonações, correções, etc. 
Nota: você percebeu a importância de haver um tempo especial separado para os músicos e para os cantores? Será muito proveitoso trabalhar os dois grupos separados, e depois juntá-los...


Ensaiando em conjunto 
Após uma hora os músicos são chamados para o ensaio completo. As músicas são ensaiadas de forma geral, o grupo todo toca ou canta. Todos têm esse tempo para entrosar os músicos e cantores, e para que eles formem uma visão comum da música ensaiada (visão global). Todos devem se familiarizar com as introduções, alterações de tonalidade, finalizações, pontos críticos, etc., além de ter na memória a letra da música. Todos, tanto músicos quanto cantores, são levados a cantar a música e memorizar sua melodia enquanto ensaiam.


Intercedendo 
Após o ensaio o grupo tem outro momento muito especial: a intercessão! Eles Tem um tempo onde todos intercedem a Deus pelo ministério, pelo Pastor, pelos líderes, pela cidade, pelas almas perdidas, por santificação, por amor, etc. Da mesma forma, oramos e ministramos uns com os outros, proferindo palavras de bênção e profetizando sobre a vida de cada um. 
Nota: O tempo de intercessão não pode ser negligenciado num ensaio! Neste tempo os músicos e cantores se revestem e buscam unção, poder, sensibilidade, discernimento, sabedoria, humildade, etc...

Conclusão 
Bem, todo grupo consegue executar este modelo de ensaio num total de 3 horas. Nestas três horas o grupo tem tempo para discutir e ensaiar a parte musical, orar, estudar a Palavra de Deus e ter comunhão uns com os outros. Descobrem a algum tempo que esta dinâmica é bem proveitosa, tanto musical como espiritualmente. Tem provado, não só um tempo musical, mas também um tempo de edificação. É uma bênção! Espero que você e seu grupo também possam fazer de seus ensaios uma BÊNÇÃO! Esforce-se para que isto aconteça... Para a glória de Deus! 
Por: Cristiano Braz Lopes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …