Pular para o conteúdo principal

POR QUE COMEMORAMOS A PÁSCOA?


QUAL A ORIGEM E O SIGNIFICADO DA PÁSCOA? COMO SURGIU A IDEIA DO COELHO E OVOS DE CHOCOLATE? POR QUÊ NA SEXTA-FEIRA DIZEM QUE NÃO SE DEVE COMER CARNE E SIM PEIXE? E O QUE NOS DIZ A BÍBLIA SOBRE A PÁSCOA?


Nos dias de hoje, A Páscoa geralmente acontece num domingo qualquer entre 22/03 a 25/04; porém têm sido comemorado com ovos e coelhos de chocolate. O ovo de páscoa que temos hoje apareceu graças ao desenvolvimento da indústria de chocolate em 1828.
Alguns dizem que foram os anglo-saxãos os primeiros a usarem o coelho como símbolo da Páscoa. Outros, no entanto, o relacionam ao culto da fertilidade, que era celebrado pelos babilônicos e mais tarde levado para o Egito. Uma outra lenda diz que em 1215 na Alsácia (França), um dos coelhinhos da floresta foi o escolhido para levar um ninho cheio de ovos ao principezinho que estava doente. O Concílio de Nicéia foi quem estabeleceu a Páscoa cristã em 325 da nossa era. O peixe, foi símbolo adotado pelos primeiros cristãos. Em grego, a palavra peixe era um símbolo de confissão de fé, e significava: “Jesus Cristo, Filho de Deus e Salvador”. O costume de comer o peixe na sexta-feira santa, está associado ao fato de Jesus ter repartido este alimento entre o povo faminto. Assim a tradição de não se comer carne com sangue derramado por Cristo em nosso favor. Uma tradição meramente humana.

A Páscoa têm sua origem no Egito. No Livro de Êxodo, capítulo 12, temos a instituição desse memorial. Primeiramente, o significado histórico da Páscoa é a libertação: o povo de Israel era escravo na terra do Egito e Deus milagrosamente os libertou através de Seu servo Moisés. Segundo, o significado profético da Páscoa é a redenção: “Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado” (1Co 5.7).

A Páscoa era uma convocação santa e uma espécie de comemoração perpétua do livramento de Israel da morte. Era um testemunho permanente de que a sua salvação era através do sangue do Cordeiro. O cordeiro que foi morto pelos israelitas fala de Cristo, o Cordeiro de Deus; pois o sangue do cordeiro, apontava para o sacrifício de Cristo, o Cordeiro que tira o pecado do mundo.

na oferta de Abel (Gn 4), encontramos o Cordeiro tipificado; no carneiro preso entre os arbustos (Gn 22), o Cordeiro foi profetizado; na Páscoa (Êx 12), encontramos o Cordeiro especificado; em Isaías 53 o Cordeiro está personificado; e em João 1 o Cordeiro está identificado: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (v.29);. Em Apocalipse 5, o Cordeiro está magnificado, e em Apocalipse 22 o Cordeiro está glorificado.

“Antes de tudo vos entreguei o que também recebi; que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1Co 15.3-4). A Páscoa é uma espécie de vida nova. As boas novas então se prorromperam espalhando-se: “Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo!” Este Homem morreu por VOCÊ; morreu por mim. Veio para morrer. Mas que proveito adviria de um Salvador morto? Ele tinha que viver!



Aquele que estava morto, reviveu. Foram-se as trevas. Resplandece o sol. A vida recebeu um novo significado. Hoje, a morte e a ressurreição de Cristo é demonstrada através da Ceia do Senhor, pois Cristo descartou a Páscoa e colocou em seu lugar a Ceia do Senhor, para comemoração de Sua própria morte! Hoje, temos o privilégio de celebrar a Páscoa (Ceia do Senhor) por causa do poderoso triunfo do Filho de Deus sobre o pecado, a morte e o inferno.

Em Sua morte, Cristo deu significado e ampliação à Páscoa. A Páscoa, por sua vez, apresenta o esclarecimento e a interpretação da cruz. A Páscoa é a sombra; a cruz é a substância. A Páscoa é o modelo; a cruz é a perfeição.

Você já recebeu em seu coração esse maravilhoso Salvador que triunfou sobre o pecado, a morte e o inferno? E, se já o fez, o Cristo Vivo já se tornou o poder de Deus em sua vida?

FONTE: Jornada no Deserto, Gazeta Cristã, O Batista Regular.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …