Pular para o conteúdo principal

Dias de Tempestade


Em um instante, e às vezes inesperadamente, o céu se enegrece.
O tom acinzentado toma a paisagem. O azul celeste é rapidamente ofuscado.
Nuvens extensas e negras são acompanhadas de ventos intrépidos.
Pássaros já não mais cantam. O imponente astro solar simplesmente desaparece.
Cenário que nos causa medo. Tudo fica um pouco mais silencioso, solitário e sombrio.
Assim são os dias de tempestade.

Não existe previsão meteorológica para os momentos de dor.
Em súbito, a nossa vida muda de cor. Ventos sussurram notícias desanimadoras, trazem resultados inesperados e levam pessoas queridas.
A força nos falta, a alegria e o ânimo velozmente se esvanece. Procuramos âncoras de esperança onde possamos nos firmar, enquanto vemos a tormenta levar sonhos, histórias, conquistas e a tranquilidade que existia.

A rotina muda: compromissos adiados, ausências sentidas, atrasos frequentes.
Os minutos parecem mais longos. O relógio segue um ritmo aparentemente incomum.
É um dia que parece interminável. Não estamos acostumados com estes momentos.
O forte som da chuva indica que não sabemos em que horas tudo isto irá terminar.
Trovões e relâmpagos nos lembram de que certas situações estão acima da nossa capacidade. Há coisas que não podemos resolver ou evitar.

A tempestade atinge impiedosamente a família, a saúde, os sentimentos, a fé.
O diagnóstico médico arranca lágrimas, o abandono parental fere a alma, a calúnia tira o nosso sono. Amigos se vão. Palavras de conforto não chegam. Promessas são quebradas e as nossas expectativas se frustram.
Desejamos que esses dias nunca existissem e nos questionamos do porque nos atingiram.
Em silêncio ou em clamor, esperamos que tudo volte ao normal.

Mas, nenhuma tempestade é eterna. Há sempre um momento em que tudo volta ao seu lugar. O vento silencia, a chuva para e os pássaros voltam a cantar.
Janelas são abertas: nossos olhos vislumbram a negritude se dissipando e o Arco do Designer do Universo, estendido, trazendo a antiga tonalidade.
Ergue-se a promessa Divina em multicores, reafirmando à humanidade que tudo ainda está no Seu controle. As tempestades nunca sobressairão ao limite estabelecido por Ele.

O Criador tem sempre um Arco de esperança em nossa tempestade. Suas brilhantes promessas se estendem sobre um céu negro de dor e medo.
Temos a garantia da Sua presença em meio ao nosso pesar. A Sua companhia é certa nos caminhos íngremes que temos que percorrer. As mãos furadas do Mestre não hesitarão em enxugar nossas lágrimas. Suas Palavras ainda encontram a divisão da alma e do espírito. Seus ouvidos não desprezarão o teu clamor.

Vislumbre algo diferente em meio aos relâmpagos. Ouça uma doce voz em dias de trovões.
Na densa tormenta, abra a janela: existe um Arco Divino estendido no céu da tua vida, lhe garantindo que tens a Ele, que tudo está no Seu controle, que a ventania é passageira.
O Pai se preocupou em dispor deste detalhe. Teus olhos podem ver. Deus sempre tem algo multicor para os teus dias cinza. Esta é a Sua promessa para os teus dias de tempestade.


Ary Gabriel

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …