Pular para o conteúdo principal

Deus Restaurará Os Seus Anos Consumidos! - Parte 1


"Restituir-vos-ei os anos que foram consumidos pelo gafanhoto migrador, pelo destruidor e pelo cortador, o meu grande exército que enviei contra vós outros" (Joel 2:25).
Quantos anos foram consumidos antes de você se arrepender e entregar tudo a Jesus? Quantos anos de sua vida antiga foram devorados pelo gafanhoto do pecado e da rebeldia?
Você sabe que está perdoado e o seu passado esquecido porque está sob o Sangue de Jesus. Mas você não gostaria de receber de volta aqueles anos e vivê-l os para a glória do Senhor?
Quantas vezes você já pensou: "Eu já poderia ter crescido tanto em Cristo! Eu poderia ter trazido tanta alegria para o Seu coração! Eu poderia ter poupado tanta dor e sofrimento a mim e à minha família. Como eu estava cego e embrutecido: tão escravizado pelo diabo! Como cheguei perto de perder a minha alma e a minha sanidade. Nunca poderei compensar por todos estes anos desperdiçados".
Em seus últimos dias Paulo reavaliou a sua vida e testificou: "Combati um bom combate. Guardei a fé. Agora uma coroa de justiça me aguarda".
Durante algumas semanas, recentemente, o testemunho de Paulo falou fundo à minha alma. Algo que eu não conseguia afastar incomodava o meu coração. Em oração confessei: "Senhor, não acho que eu possa dizer isso como Paulo! Talvez eu pudesse, nos primeiros 15 anos do meu ministério e nos últimos 10".
"Mas há um intervalo nesses anos intermediários no qual eu sinto a perda de meses - talvez anos". Este período não foi uma época de algum pecado negro e profundo - mas de estar à deriva, e não foi o meu melhor momento em relação a Jesus" .
No meu casamento, também, eu revejo as coisas com um pouco de vergonha porque desperdicei tantas horas preciosas. Tenho tido um casamento feliz com a mesma mulher por já quase 38 anos, e estamos mais apaixonados do que quando éramos recém-casados. Mesmo assim, nos últimos anos tenho pedido que Gwen me perdoe pelas vezes, ao longo da vida, em que fui arrogante e indelicado - nem um pouco aquele homem de Deus bondoso e amoroso, que eu deveria ter sido.
Sei que, como eu, muitos de vocês podem rever com pesar os anos perdidos que foram devorados pelos vermes do inferno! Penso naquele negociante de nossa igreja que perdeu anos bebendo e no uso de drogas. Ele era um adúltero que uma vez abandonou a esposa durante semanas; um homem muito enérgico alimentado pela luxúria e pela cobiça. Hoje ele está em chamas para Deus, crescendo em Cristo e tentando compensar o tempo para sua esposa. Contudo ele ainda sente a vergonha por aqueles anos que o gafanhoto destruiu!
O fato é que, quanto mais junto você chega ao coração de Jesus, mais aqueles anos perdidos lhe entristecem. Quanto mais você se apaixona por Cristo, mais Lhe suplica em seu íntimo: "Querido Deus, como eu pude chegar a Lhe ofender tanto? Como cheguei a ser tão enganado? Eu me apossei dos anos que Lhe pertenciam e os joguei fora!"
"Oh Deus, a Sua Palavra é tão preciosa para mim agora, e estou tão entusiasmado por estar crescendo no Seu conhecimento! Como desperdicei crescimento em Cristo! Como perdi revelação! Quanta bênção e unção eu perdi devido á negligência!"

Não importa se você foi salvo há 30 anos ou há 30 dias - Deus pode e vai restituir todos os anos que você desperdiçou! Esta profecia de Joel foi dirigida a trê s grupos: a nação de Israel, a igreja e indivíduos no corpo de Cristo. Desejo me concentrar na profecia ao terceiro grupo, aplicando-a a nós como crentes individuais. 
David Wilkerson

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …