Pular para o conteúdo principal

Eles nunca aceitaram o amor de Deus por eles


Durante todas as dificuldades dos israelitas, Deus tentou ocasião após ocasião conduzir Seu grande amor a eles. Mas eles não o aceitaram. Eles simplesmente não acreditavam que suas provações fluíam de Seu amor. Ao invés disso, as pessoas sempre diziam, "Se Deus nos amasse, por que Ele nos traria aqui ao deserto para nos matar? Por que Ele permitiria que sofrêssemos assim?”.
Aqui nós vemos a raiz de toda a incredulidade: uma relutância para crer e descansar no amor de Deus pelos Seus filhos. Ainda assim, a razão absoluta pela qual Deus escolheu Israel para ser Seu povo foi por causa do Seu amor: "E, porquanto (Deus) amou a teus pais, não somente escolheu a sua descendência [vocês] depois deles... O Senhor não tomou prazer em vós nem vos escolheu porque fôsseis mais numerosos do que todos os outros povos... mas, porque o Senhor vos amou” (Deuteronômio 4:37, 7:7-8). Foi dito a Israel, ”Deus não os escolheu por causa de qualquer coisa especial quanto a vocês; Ele os escolheu simples e unicamente porque  os amou”. Considere o seguinte:
Porque Deus não permitiu que Balaão amaldiçoasse Israel?  “Contudo o Senhor teu Deus...trocou-te a maldição em bênção; porquanto o Senhor teu Deus te amava” (23:5).
Por que Deus pôs Israel em cheque no mar Vermelho? Ele quis ver se eles confiariam no amor do Pai celestial. Ele estava desejando saber, "Que tipo de Pai o Meu povo imagina que Eu seja? Eles realmente crêem que os amo o suficiente para nunca permitir que caiam nas mãos do inimigo? Eles descansam em minhas promessas pétreas de que cuido deles em quaisquer circunstâncias? Será que sabem que nunca os abandonarei, mesmo que a situação pareça sombria e desesperadora?”.
Por que Deus conduziu Israel às amargas águas de Mara? Uma vez mais, Ele quis obter do Seu povo alguma prova de que acreditavam no Seu amor por eles. Ele queria saber se eles confiariam nEle para saciar a sede por causa de Seu grande amor.
Nós vemos ainda outra provação quando Israel estava às portas da terra prometida. Doze homens foram enviados para que espiassem a terra. Mas dez deles regressaram trazendo "más notícias”. Eles sustentaram que Israel nunca poderia tomar posse daquela terra, porque era repleta de gigantes, fortalezas, grandes cidades muradas e obstáculos  intransponíveis.
Como as pessoas reagiram a este relato? Uma vez mais clamaram com medo e incredulidade: "Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós" (Números 13:31). Elas estavam dizendo, em essência, "Nossos inimigos são mais fortes que o amor de Deus por nós". Eles acusaram o Senhor de os abandonar no momento de necessidade, os deixando por conta das suas próprias forças. E passaram a noite toda reclamando e clamando, "Eu desejaria estar morto. Por que Deus nos colocou nessa situação desesperadora?”. O apóstolo Estevão disse o seguinte sobre eles: "em seus corações voltaram ao Egito” (Atos 7:39).
Uma vez mais, vemos que em toda crise o Senhor garantia ao Seu povo: "Eu os tenho amado fielmente". Contudo, em cada uma dessas vezes, eles permitiam que os obstáculos nublassem o conhecimento de que Deus os amava.
Pense nisto: se nós acreditamos, aceitamos e confiamos no amor do nosso Pai celestial, então o que há para temer? Por exemplo, eu aprendi que se eu verdadeiramente descansar no amor de Deus por mim, eu não tenho que temer ser enganado. Se eu verdadeiramente sou dEle -- se creio que Ele me carrega em Seus braços amorosos -- então Ele nunca deixará o diabo ou qualquer voz me enganar.
E nem tenho que temer uma calamidade repentina, uma queda, ou o vislumbre de um futuro incerto. Meu Pai amado não vai permitir que qualquer coisa aconteça em minha vida, excluindo aquelas que Ele determinou previamente que fossem melhores para mim e para meus familiares. Não importa quais sejam meus problemas, Ele vai os desvendar e preparar o caminho para mim. O Deus de amor pode operar um milagre após o outro a meu favor, se eu apenas confiar nEle.
Isto me permite enfrentar tempos difíceis, provações de fogo, e até mesmo a morte. Eu sei que em meio a tudo isso, meu Deus irá compartilhar minha dor, e minhas lágrimas serão tão preciosas quanto ouro para Ele. Ele não permitirá que as provações me destruam. Ele sempre será fiel para me prover livramento.
Você pode perguntar, "Mas nós não complicamos nossas próprias vidas com nossas decisões erradas? Não trazemos caos para nós mesmos porque saímos da vontade de Deus? E quanto à todas as coisas tolas que fazemos e que nos enlaçam?”.  Eu lhe asseguro: se você simplesmente confiar no amor de Deus, se arrepender e se agarrar nEle, Ele resolverá todas as suas confusões. Ele torna as nossas cinzas em beleza.
(David Wilkerson) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …