Pular para o conteúdo principal

AMAR... É SEMPRE A COISA CERTA A FAZER



O Sr. Benson, novo professor dos meninos da sétima série da classe da escala dominical, decidiu que sua primeira aula seria sobre a vontade de Deus. Depois de ensinar o que pôde durante 45 minutos, ele concluiu a lição com uma pergunta prática: "Como podemos saber qual a vontade de Deus para a nossa vida hoje?". A maioria dos alunos olhou para os pés ou ficou revirando as folhas de trabalho em silêncio, como já haviam feito durante toda a aula. Mas um menino com um sorriso confiante levantou a mão, animado.
"Muito bem, Donny ", disse o Sr. Benson, esperançoso.
"Acho que a melhor maneira de descobrir a vontade de Deus é ler a Bíblia e orar", respondeu Donny muito seguro de si.
"É isso mesmo, Donny!", exclamou o Sr. Benson. O professor foi alegre para casa naquele dia, porque pelo menos um de seus alunos havia entendido a lição.
No domingo seguinte, o Sr. Benson ensinou sobre a tentação, questionando: "Qual a melhor maneira de os cristãos reconhecerem a tentação e a rejeitarem?" Ninguém parecia ter prestado atenção, mas a mão de Donny se levantou novamente.
"Sr. Benson, se lermos a Bíblia e orarmos todos os dias, não cederemos á tentação."
O professor sorriu, jubiloso. "Obrigado, Donny. Você acertou outra vez." O professor saiu da classe exultante com o seu sucesso.
O tema da semana seguinte era a fé. "Como podemos crescer na nossa fé?", indagou o professor, olhando para o seu aluno-estrela. Donny não o decepcionou.
"Lendo a Bíblia e orando, Sr. Benson; é assim que a fé cresce."
O Sr. Benson se convenceu silenciosamente de que, depois de apenas três semanas, ele era provavelmente o melhor professor da escola dominical em toda a igreja.
Depois da aula, o Sr. Benson chamou Donny para um lado. "Quero agradecer-lhe, Donny, por prestar atenção à aula e responder às perguntas importantes."
"Oh, eu não presto atenção à aula", respondeu Donny, com a franqueza de um garoto da sétima série. "Fico pensando na minha coleção de cartões de beisebol e nos jogos de futebol, como os outros meninos."
A expressão do professor mudou para um ponto de interrogação. "Mas você sempre dá uma resposta adequada. Deve estar ouvindo alguma coisa."
"Sr. Benson, freqüento a escola dominical desde criancinha", replicou Donny. "A única coisa que sei é que 'ler a Bíblia e orar' é sempre a resposta certa."
Algumas vezes você deseja que a vida seja tão simples para você como a escola dominical era para Donny? Não seria ótimo se em todos os nossos tratos, deliberações e dificuldades com as pessoas, houvesse sempre uma resposta certa, uma coisa certa a fazer, que funcionasse sempre? Não queremos simplificar demais um assunto tão vital, mas existe realmente uma coisa certa a fazer que é aplicável e apropriada em todos os nossos relacionamentos. O amor é essa resposta certa.
O amor é sempre a coisa certa a fazer. Tanto a cultura como a Escritura confirmam que todos os absolutos morais podem ser reduzidos a um único: Amar é sempre certo; não amar é sempre errado

*Retirado do livro Amar é sempre certo, de Josh McDowell e Norman L. Geisler, Editora Candeia, 1996, SP.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …