Sebastianismo (Brasil Colônia)


O jovem rei Dom Sebastião foi desde seu nascimento a única esperança portuguesa de restauração da antiga glória. Era intitulado “Desejado”, por ter nascido após um tempo em que o futuro do reino estava incerto devido à ausência de descendentes. O reino vivia um momento de decadência, com ascensão de outras potências no cenário europeu. A retomada, esperava-se, seria com o rei menino. Dom Sebastião, enquanto viveu, pouco fez para despertar entusiasmo popular. Pouco ligado às mudanças que a Europa passava, que já anunciavam a Idade Moderna, Dom Sebastião vivia ainda na Idade Média viveu a vida inteira em castidade, negando-se a dar novos herdeiros para Portugal.
O Sebastianismo, doutrina salvacionista definida pela espera do messias, de uma espécie de pai da pátria que vem redimir o país e o povo de uma situação desfavorável, é uma crença enraizada no imaginário do povo português desde pouco depois do desaparecimento do rei Sebastião na batalha de Alcácer-Quibir (1578).
Em muito a literatura portuguesa influenciou para a divulgação do mito do sebastianismo, fazendo do messianismo uma espécie de messianismo, tornando Dom Sebastião como símbolo de patriotismo, o que muitos governantes portugueses aproveitaram para exaltar os valores nacionalistas. O movimento de Portugal também chegou por aqui e trouxe importante influência para o messianismo no Brasil. Vários escritores brasileiros escreveram sobre estes movimentos ou manifestações messiânicas: Euclides da Cunha, Plínio Salgado, Luiz da Câmara Cascudo. Registraram os episódios de Pedra Bonita e de Canudos, ocorridos no Nordeste do Brasil, há também as semelhanças entre o messianismo da doutrina divulgada por Plínio Salgado (1895-1975), e o Sebastianismo português.
Dom Sebastião em si tomou atitudes não muitas corretas para um monarca, teve um curto período no poder, não deixou herdeiros, empreendeu uma guerra sem ter exército e habilidade suficiente para vencê-la, estava mais revestido por razões mais religiosas do que política, morreu sem deixar vestígio de seu próprio corpo, foi um rei mítico cujo império também se constituiu mítico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A ENTRADA DA IGREJA NOS CÉUS

Como um arco íris