Pular para o conteúdo principal

Entenda a polêmica da construção da usina hidrelétrica Belo Monte


Diante do debate em torno da construção da usina hidrelétrica Belo Monte há duas perguntas a serem feita. Belo Monte é realmente necessária? Ou há alternativas sustentáveis, que causem menor impacto?
Para se ter ideia, o desejo de construir uma usina hidrelétrica no rio Xingu, vem desde os anos 1970 durante a ditadura militar. Projetos previam a construção de várias usinas geradoras de energia na Amazônia.
De um lado temos órgãos governamentais que em nome do progresso defendem a construção da usina, utilizando de argumentos que vão desde o atendimento a carência energética do país, a, estudos que segundo eles, provam impactos ambientais mínimos ante ao aproveitamento obtido. Com a construção viria garantia a matriz energética do país e teríamos a terceira maior usina hidrelétrica do mundo.
Fazendo oposição ao governo e seus argumentos, temos ambientalistas, índios, igreja Católica e comunidades ribeirinhas. A questão ambiental recebe um enfoque especial, tendo em vista que algumas entre as milhares de espécies do local existem apenas ali. O impacto para a fauna e flora é irrecuperável, segundo os ambientalistas.
Todavia, analistas independentes apontam que maior será o impacto social, a retirada da população ribeirinha e principalmente dos povos indígenas não tem dimensão. A retirada iria ferir o ligamento com a terra e as raízes culturais, que não podem ser transportadas para outro lugar.
Especialistas falam ainda da ineficiência da usina Belo Monte, cuja em épocas de seca sua vazão ira diminuir e a geração de energia seriam mínima. Eles defendem a exploração de novas formas de geração de energia, como a eólica, cujo potencial brasileiro é gigantesco e aproveitamento é nulo.
O Brasil poderia muito bem aproveitar e investir na produção de energia limpa, já que desejamos nos tornar um país de primeiro mundo, porque não começar pela produção de energia?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL

A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares. Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por di…

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …