Pular para o conteúdo principal

QUILOMBOS E REVOLTAS ESCRAVAS NO BRASIL


A formação de grupos de escravos se deu em toda parte do Novo Mundo onde houve escravidão, os quilombos variavam de tamanho, lugar e importância, o quilombo dos Palmares sobrepôs por sua fama, devido sua resistência os números dos que habitaram lá foi consideravelmente aumentado para justificar as derrotas, um reduto onde negros de várias etnias se reuniram, onde havia a prática comércio, uma hierarquia social de guerra. Com o seu fim, jamais houve no Brasil um quilombo tão grande como Palmares.
Muitos dos quilombos não eram tão longe das cidades e das grandes fazendas onde mantinham relações comerciais e de parentesco, muitos escravos se abrigavam em propriedades de plantio, ou eram seduzidos a fugir para formar pequenos quilombos para plantação, principalmente de mandioca onde atravessadores compravam o produto por um preço abaixo do mercado, muito deles assaltavam viajantes, seqüestravam, caçavam, plantavam, colhiam ou trabalhavam em minas para depois trocarem por dinheiro ou mantimentos com taverneiros.
O surgimento dos mais variados quilombos criou o capitão-do-mato, responsável pela captura de fugitivos, o que acarretou em duras formas de repreensão, vários quilombolas foram enforcados e esquartejados, para tanto muitos índios foram utilizados por vezes estavam do lado dos escravos por hora estavam do lado dos brancos. O combate aos quilombos se dava com o temor de revoltas e o mau exemplo para outros escravos, não queriam que aqui se formasse um novo Haiti.
            O crescimento das revoltas deu-se no período da exploração do ouro e do café posteriormente, na época do açúcar poucas revoltas aconteceram, o que contribuiu foi o aumento do número de escravos e a falta de constituição de famílias entre eles, e muito mais do que africanos os crioulos (negros nascidos no Brasil) fizeram presentes em movimentos, motins como a Balaiada, e em busca de melhorias, a Bahia foi palco de vários levantes crioulos. Não tão diferente os escravos da Corte também tinham suas formas de resistências, um terço da população do Rio de Janeiro era formada por escravos, vários quilombos suburbanos foram erguidos. Variava de etnia por etnia a forma de revoltas e organização de movimentos, os africanos da Bahia foram muitos mais insurretos do que os do Rio de Janeiro, a influência mulçumana e da religião africana o quão contribuiu, além da luta conjunta de alguns poucos homens livres isto na Bahia, pois no Rio de Janeiro homens livres ficavam mais de olhos nos escravos. Em vários estados houve participações dos escravos em movimentos como Cabanada, Balaiada, Confederação do Equador, Farroupilha, o futuro duque de Caxias Luís Alves muito os combateu. Após a guerra do Paraguai os levantes aumentaram na sua grande maioria não nos grandes centros, mas em pequenas cidades e poucas fazendas, não envolvendo grandes acontecimentos, mas a fatos do cotidiano local, principalmente em momentos que envolvessem festividades, aonde a sensação de liberdade vinha á tona e era desejavam sua perpetuação, além que outros negros que conseguiram sua alforria fomentavam os demais para liberdade.
O historiador João José Reis enumera várias revoltas acontecidas no Nordeste e Sudeste do país, revelando como se deu e o seu fim, datações, pontua de forma ímpar sobre a realeza e as lideranças religiosas, suas ações, importância nos casos de revoltas e como se deram as disputas entre eles pelo poder e representação. O sincretismo religioso provocou agitações por meio dos escravos, caso relatado sobre Santo Antônio nos dá uma amostra do que ocorreu. Não só o aspecto religioso entrava em cena o político também deve sua parcela de contribuição, a liderança vinha se escravos libertos que conheciam a relação com o branco não era a do africano que vinha cansada na viagem náutica, um exemplo é a revolta do malês. Por isso com o passar do tempo às alforrias foram dificultadas. Em  seus livros Reis nos revela a solidariedade entre os negros, a escravidão os unia ante a luta da liberdade ou da amenização da dor.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como um arco íris

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças. Eclesiastes 9.10
Se devemos viver separados do mundo, como va­mos executar corretamente as tarefas seculares, comuns da vida, uma vez que os homens só fazem direito aquilo que fazem com vontade? Se nosso coração está repleto de coisas celestiais, como obedeceremos a este outro mandamento igualmente divino: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças"? Eles se harmonizam perfeitamente. O homem que se coloca entre o mundo celestial e o terreno está liga­do a ambos; ele não se parece com a flor, que brota do pó e para lá retorna; nem com a estrela, que brilhando muito longe da esfera terrena, pertence totalmente aos céus. Em vez disso, nosso coração pode ser ligado ao arco-íris que, alçando-se ao céu mas repousando na ter­ra, relaciona-se tanto com o solo dos vales quanto com as nuvens do céu.
Guthrie

Difícil ser resiliente

Tem horas que a alma é dominada pela preocupação, uma carga de responsabilidade pesa sobre os ombros, dando demonstrações que nunca vai findar. Sendo péssima a sensação de perca do controle das reações. Quando caímos em si, já escorregou pelas mãos toda a razão.
Com feroz força todo arrependimento do mundo toma conta do pensamento, e os questionamentos não cessam acerca do que era para ser feito e o que deveria deixar de fazer. No ambiente envolta os objetos fazem barulhos desconcertantes com o único objetivo de irritar, tirar o foco, retirar um pouco de sua paciência. Paciência, sim, é o que mais precisamos e menos temos. O corpo reage o que sente a alma, dores aparecem, a cabeça parece que vai explodir e o estômago fica embrulhado, a pele engrossa e rejeita tudo que lhe toca. Nada coopera para que alguma coisa melhore. Olhamos para trás vemos só arrependimentos, erguemos o olhar para o futuro apenas dúvidas e incertezas, e no presente o sentimento é inutilidade, ignorância, sem direção …